quinta-feira, 2 de junho de 2011

Movimento Unidos do Dinheiro Internacional SA

O movimento conhecido como mudis, anunciou que nos vai dar outra ratada, ou seja cortar mais uns pontos na escala de rating, a escala das histórias do João Ratão e da carochinha.

No mesmo dia, o “commis” de cozinha, armado em cozinheiro malandreco do país do faz de conta (não confundir com o Chef Antoine, oncle de l’ Algarve de la mer d’ici), diz que vai tentar arranjar uma panela melhor para fazer os seus cozinhados e os dos amigos. Dados os seus esforços e bons resultados nestes anos de cozinha de plástico requentada, vão ser distinguidos com o prémio TACHO DE OURO, que distingue os mais criativos na história da carochinha e do João Ratão. Faltava-lhe um condimento essencial, o catalisador do sabor, o amuse bouche que faria salientar o seu pratinho. Encontrou-o. Era o famoso Peque Quatro, o ingrediente mistério que iria salvar o cozinhado horrível e queimado que nos obriga a comer há anos e que quer continuar a obrigar. Uma espécie de trevo de quatro folhas mágico, que iria resolver todos os problemas da cozinha portuguesa. Faltou o trevo, queimou-se o cozinhado e o tacho entornou. Três em um…

Hoje vi-o na televisão a dizer que gostava da cozinha italiana e oriental (será da estação do Oriente?). Quando percebeu (faltava o Luís…), tentou remediar dizendo que também gostava da alentejana, que era muito criativa, com coisas simples faziam pratos deliciosos, que antes eram vistos como pobres. É verdade. E come-se em restaurantes caros, frequentados pela clique política, os mesmos que fazem a transformação ao contrário, retirando valor a tudo quanto tocam…Uma espécie com relações familiares às sanguessugas empresariais a que já me referi.

A única esperança de salvar esta cozinha, é cortarem-nos o gás, que eles estão agarrados aos tachos e com o lume no máximo! Antes que isso aconteça e tenhamos que comer a comida fria durante décadas, sempre podemos expulsar esta brigada, formada nas novas oportunidades e alicerçada no oportunismo…Venham outros, svp.

Food on my brain, definitivamente. (Aproveito a frase da Eva, esperando que leia o meu francês em slow motion, para não dar azo a outras interpretações…)

E passando ao restaurante: Não vem mais vinho para esta mesa, hoje!

8 comentários:

  1. Pois para esta mesa, pode vir o vinho !! Depois das traulitadas que levei do quotidiano, estou a precisar de me recompôr! Entretanto, o cheiro a esturro, ou a salsada queimada, deixou-me levemente agoniada. Os cozinhados esturricados também têm a possibilidade (como os telelés) de provocar o cancro... e é disso que eu tenho medo... das sequelas a longo prazo! Entretanto, meto a dentadura e volto ao combate! espera... primeiro mando beijo. ok... agora a dentadura, :))))

    ResponderEliminar
  2. Passei aqui para te convidar
    a visitar meu blog de poesias.
    Se puder e tiver um tempo, dê uma esticada até meu site. Se gostar e quiser me adicionar, vou gostar de ter por lá seus coments. Tenhas um ótimo fds! Saúde e felicidades.
    Abraços,
    João Ludugero, poeta.
    www.ludugero.blogspot.com
    Até mais!
    Eu já estou te seguindo, pois gostei demais do seu espaço. DEZ!!!!

    ResponderEliminar
  3. Cheguei um boca..di...nho... atra...sada, cansada e a deitar os bofes pela boca porque vim a carregar com três caixotes de vinho para esta mesa... :)
    Chega ou vou buscar mais? lol

    Bjos

    ResponderEliminar
  4. João Ludugero,
    Obrigado pela visita, que vou retribuir. Diverte-te à vontade, aqui nesta casinha!
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Isa,
    Vens sempre a tempo! E com esse carrego todo, que esforço! Vamos começar a beber já, pode ser?
    Bjs

    Olha já tentei comentar os teus posts quatro ou cinco vezes lá no Junior. Acho que vou mandar o blogger à Mer...kel, ainda esta noite!

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio