terça-feira, 21 de junho de 2011

O voto pode ser nobre. Pode mesmo.

Vejo num monitor, atrás de uma jarra com uma flor murcha, que está a em curso a segunda volta da votação para eleger o presidente da Assembleia da República, a segunda figura na hierarquia do estado.

Respondo a mais uns emails na sala de espera que a CP baptizou com o bonito nome de lounge, onde entre uma série de facilidades nos facultam o acesso à Internet. Não tenho tempo para confirmar o que vejo, mas sinto que as flores na jarra estão mesmo murchas. Sem som, vejo uma data de gente a ser entrevistada. Outras imagens mostram alguém a transportar o que parece ser uma urna de voto.

Minutos mais tarde vejo no dito oráculo que Fernando Nobre não conseguiu ser eleito na segunda volta.

Não consigo evitar um gesto de alívio, mais ainda quando vejo que só teve 105 votos e precisava de 108…

Pensei no que aqui escrevi sobre Nobre e sobre o valor das iniciativas de cidadãos, que continuo a considerar como extraordinariamente válidas. Enquanto não conseguirmos acabar com a ditadura dos partidos e a com a “partidarização” da sociedade, não conseguiremos evoluir para uma sociedade mais participativa e mais rica. Talvez com os círculos uninominais se conseguisse alguma coisa nesse sentido. Volto a pensar em Nobre, e nos mails que me enviaram com os órgãos sociais da AMI…Revejo a minha surpresa e desencanto, e revejo este processo e o gosto, deplorável, de se candidatarem a cargos não candidatáveis. Como exemplo maior o de se candidatarem a primeiro-ministro. Haverá algumas eleições para primeiro-ministro, ou é o Presidente da República, esse sim eleito por sufrágio directo e universal, que chama o partido mais votado para que este indique um nome?

Quando Nobre se candidatou a Presidente da Assembleia da República, vez o mesmo, ou ainda pior, porque este presidente é eleito pelos seus pares e não por sufrágio directo do povo português… O score de Nobre em Lisboa, foi inferior à média nacional do partido que o elegeu. Só por esta razão e pelos engulhos que causou. Nobre se tivesse bom senso não se deveria ter apresentado como candidato. Seria mais uma cambalhota, mais um “diz que disse mas não disse”, ao melhor do que nos tem habituado, mas teria permitido sair que de pé desta situação e com a cabeça levantada… Assim saiu derrotado, e com a humilhação de ver que Assunção Esteves vai arrecadar também os votos do PS, coisa que ele não conseguiu, nem com o apoio de António Costa…

E assim escusou muita gente de engolir um sapo, Passos Coelho pode mostrar-se magnânime, Seguro, liberal e Nobre ficou com certeza do seu peso real…

É caso para se dizer, que afinal o voto é nobre…ou pelo menos soberano.

11 comentários:

  1. Olha se dava uma travadinha ao Cavaco e ficava ele como representante da Nação?! Respirei de alívio.

    ResponderEliminar
  2. Boa análise:)

    Mas olha que a tua net não chega lá muito bem...O mínimo que teve foi 105 votos...

    lol

    ResponderEliminar
  3. Julie,
    Também acho...Já chega de Poncius Cavacus!!!

    ResponderEliminar
  4. M.,
    Obrigado...Estava a ver no rodapé da tv ontem e descontei um. Não sei sae será a falta de vista se algum acto falhado.
    Na dúvida já corrigi :)

    ResponderEliminar
  5. Mesmo assim ainda houve palermas a votar nele?

    ResponderEliminar
  6. Um alívio, mas a arrogância de Nobre finalmente foi bem explicada por um jornal que não teve receio de falar... Nobre tem andado muito convencido porque a Maçonaria fartou-se de trabalhar para o enfiar... onde pudesse ;)
    Francamente este nunca me enganou e até houve quem se tivesse ofendido comigo quando eu falava que ele não era tão independente quanto fazia parecer... enfim, adoro quando tenho razão ;)))

    Bjos

    ResponderEliminar
  7. Bom... e hoje já foi eleita Mª da Assunção Andrade Esteves... ainda sei pouco sobre ela... é do PSD, jurista e um ano mais velha do que eu lol

    Bjos

    ResponderEliminar
  8. Caracol,
    PArece que foram 105. Inacreditável, não é?

    ResponderEliminar
  9. Isa,
    Tinhas razão quanto ao Nobre...Mas teve o seu papel e...os extremos tocam-se!
    Quanto à Assunção Esteves, mais não fosse, pelo menos temos uma mulher a mandar naquela tropa toda. E é jurista, o que me parece mais adequado à função.
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Teria feito melhor se não se candidatasse... e isso apenas prova que para além de falta decaracter, lhe falta mesmo dois palmos de testa... é o que penso. Ingénuo, acredito enfim, bem intencionado, é também egoísta, convencido e pouco inteligente... e aquela lágrima no canto do olho, viste ou a jarra tapou-te a vista? Convenhamos... portou-se como uma criança mimada até ontem, e ontem não foi excepção principalmente com a afirmação de que ficará como deputado até deixar de ser útil (traduzindo, significa... que ficará, até lhe apetecer ir embora amuado!!) Não tenho paciência...

    ResponderEliminar
  11. Eva,
    Tens toda a razão...Entretanto tive que aair e já não vi. Mas já não acredito que seja assim tão inocente.
    Aquele elogio de costas, sem parar, diz tudo!

    Ficará até lhe ser útil, e não até ser útil, é o que eu acho!
    Bjs

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio