terça-feira, 26 de abril de 2011

Carta ao Ministro

Ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Boa Vida,


Excelência,
Os mais respeitosos cumprimentos.
Dirijo-me a V. Exa. na qualidade de Director Geral do Instituto da Galhofa, do Riso Sarcástico e da Gargalhada, a propósito do louvor que me foi concedido, publicado no Diário do Desgoverno de 26 de Abril, do calendário gregoriano, de 2011.

Tendo já remetido ao Senhor Presidente do Instituto uma carta de agradecimento, humildemente, sem pretender de forma alguma ultrapassar a hierarquia do estado da coisa, animado apenas pelo dever cívico e moral de reconhecer o gesto, atrevo-me a dirigir-me a directamente a Vossa Excelência.

Quando no passado dia 21, quinta-feira, quase ao final da manhã, saí com a viatura do Instituto que me está distribuída, para recolher a minha família em casa para gozo de um breve período de repouso, aproveitando a tolerância de ponto concedida a todos os funcionários públicos, estava longe de imaginar esta surpresa, certamente imerecida, pois apenas me limitei a interpretar o que me pareceu ser o espírito do diploma da tolerância de ponto da quinta-feira santa (continuo a escrever santa em minúsculas para que não se pense que sou dos que se ajoelham).

No dia imediatamente anterior, ao tomar conhecimento desse gesto nobre do nosso grande leader, limitei-me a pensar naqueles que se iriam deslocar para longe, para junto da família, ou das praias algarvias e outros destinos, como o caso do Senhor Presidente do Instituto que, sabendo das dificuldades que o povo sente, entendeu não ocupar um quarto de Hotel no Algarve, preferindo sacrificar-se com uma deslocação para um lugar remoto (desterrado seria a palavra mais correcta), deixando assim mais disponibilidade para os nossos compatriotas no nosso país. Ir para o Senegal, de armas e bagagens, ter de caçar, talvez para comer, é um gesto que enobrece e que todos as portuguesas e portugueses, deviam conhecer…

Enfim, foi com algum desprendimento, tenho que confessar, que decidi dar tolerância de ponto também na terça-feira de manhã a todos os funcionários. A responsabilidade foi exclusivamente minha, uma vez que o Senhor Presidente estava já incontactável, arriscando a vida contra os rinocerontes, na selva africana, pois que para dar mais espaço às portuguesas e portugueses na quinta-feira, entendeu sacrificar alguns dias de férias e partir mais cedo. Pensei sobretudo nas famílias que, com um pequeno gesto, poderiam ficar juntas mais um dia. Pensei também na segurança rodoviária, evitar acumulação de trânsito na segunda, evitar deslocações, à noite, quiçá depois de um dia cansativo em família, podendo fazê-las tranquilamente com a luz do dia. Pensei ainda nos Hotéis e no Turismo e na importância que a actividade turística tem para o país. Pensei também nas eleições que se avizinham e na importância da reeleição, do nosso grande leader e irmão. Pensei nos nossos camaradas deputados da capital, mas eleitos por círculos distantes e que não têm nada a ver com eles que, deste modo poderiam estar alguns dias e, quem sabe, participar nalguma comemoração do dia 25….

Nunca poderia imaginar é que esse pequeno gesto seria observado e, menos ainda, reconhecido por Vossa Excelência. Fi-lo com o sentimento de quem cumpre um dever para com o estado e os seus cidadãos. Bem-Haja, Vossa Excelência, por ter notado um gesto tão pequeno, de um humilde servidor….

Ao despedir-me, tomo a liberdade de recordar aquelas situações de junho, que falámos no congresso. E ficava a paridade assegurada, Porto e Lisboa, com apenas dois dias de tolerância, assegurávamos uma semana no Porto e outra em Lisboa…Lembre-se da asneira do carnaval, dos outros…


A bem de nós e do nosso grande leader,

Permita-me um abraço fraterno, de gratidão,

António Bernardo Risos Y Risos

sábado, 23 de abril de 2011

Letter to my brother Cameroon

My Dear Cameroon,

I hope you remember me. We first met when I was acting as Chief of Ministers, do you know what I mean? I must be the chief of them all, so we have identity, no matters what side we look, to governance of the country.

We already changed the name of that Old British colony in the south of portugal, now it is Allgarve, wich stands for everygarve. We heard Lord Algarvium about it, and he gave us a big lough, sou we sought (fok the automatic corrector) he loved the ideia…It is more English and easy to speak for you…
I´m writing to you, to ask for invitations for the Royal Wedding, or marriage, fok the corrector automatic. We loved to go do London in Easter time. Harrods is beautiful, and the first lady loves shopping there…
The Libia was a mistake, sorry to tell you. You have not the Mounty to win that battle, so don´t beggin it, fok! You need also advise from Louis, very bright and handsome man in my court, fok again the automatic corrector. We love the French, but don’t trust them very much, you kwou what I mean? Put the Germans on the noise, fok! Say they a secret packt with the coronel, because of the oil, and the shit hits the ventoinha and spreads to them alll…

Look, sink (fok the corrector) of the invitations, OK? We could take the chance and sign a treaty about Allgarve or about Madeira. We could change the name to Woodland… What do you sink? (fok the corrector)… Just a coincidence the invitation and the treaty... Is just to take the chance of the trip, OK?

So long is going this letter, so I must put an end to it…Have a nice Easter Hollidays. I am since yesterday in vacations, because we give the point tolelarantion to civil servants. Four days reposal is good to rest a bit and I gain votes… ;) The other Rabbit is F. with me. I ate it in cebolation. Big laf, ah, ah, ah!

Big embrace to you and don´t forget the invitation!

Youres,

Joe

P.S. (always!): Have a good Easter. Here we don't have Easter. I ate the rabbit, the bunny and all the eggs ...

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Carta à mi hermano

Mi Caro Rosé,

Como sabes mi espanhuel es bonssimo y entonces lo tengo que usar, para que me comprendas mejor. ¡Que saudades tengo de estarmos runtos!

Aqui los de la prensa descobriram mi acordo com la Merkela. ¡Hoder! Fiquei fulo de la vida com esta notícia de la prensa. Haz clik para verla. Eses tios del SOL san peores que el Tio del Algarve. Nom me dan descanso, deve ser de la relacione de Costa del Sol com Algarve…Aún intentei las autonomias “à la Portuguesa”, pero no há pegado….Tengo las CCDRs que san unas caralhadas que no sirvem para nada, seriam unos buenos Governos Autonómicos, pero num deu. ¡Que pena! Ahora ténia 5 regiones y nom um pais de la treta…

Eses tios del Sul, descobriram mi escenário todo y fiquei com la careca al Sol. Los de la TVI son la mesma cosa. Mostraram-me em directo enquanto hacia la preparaciona para el directo de la demissona. ¡Hijos de P… !

Te digo que te prepares. Tienes que criar un facto politico, como un caballo de Tróia, no te equivoques, no es un caballo de Troika, para cair el goberno e gañares más vuetos…

Estoy seguro que RUNTOS CONSEGUIMOS, es necessário es seguir nuestra estratégia com rigor. Solo la estratégia tiene que ser rigurosa, el gobierno no, claro!

El Tren de Alta Velocidade, sigue en construcción, entre el nuevo aeropuerto de Poceirau e Caia y asi más cerca de España, para los españoles de Badajoz venirem a compras a El Corte Inglés de Lisboa, que está precioso. Com dos líneas de metro. Imagina tu. Me comentan que les gusta mucho a los portugueses iren a Vigo al Corte Inglés, pués que vengan los espanholes (no me entiendo com la ñ) al Corte Inglés de Lisboa ó de Oporto, carai! ¡Sin la TGV era imposibel! Y de Oporto a Lisboa va a ser un rato. (es rato ó gato, que se disse?)

De Lisboa para Poceirão temos que colher um avión, por já no me dejan hacer esa línea…. Que pena. Un poquito más y cerrava o proceso!

Un abracillo fuerte de tu hermano de portugal (ahora com un acuerdo hortografico se escrive com letra pequena),

Rosé

terça-feira, 19 de abril de 2011

Lady Socratellium’s Use Everybody



Tivesse o Tio as capacidades do Vasco Palmeirim, não hesitaria em cantar esta versão dos Kings of Leon, dedicada especialmente a Lady Socratellium. Como não tenho, deixo-vos com o original da música e a minha letra. Como respeito os direitos de autor, fica já declarado que o original foi retirado daqui.

O título também teve uma pequena alteração, para o aproximar mais da personagem de Lady Socratellium…


Use Everybody

I've been roaming around
Always looking down at all I see
Tainted faces, fill the places I can't reach

You know that I can use anybody
You know that I can use somebody

Someone like you, and all you know, and how you speak
Countless suckers under cover of the street

You know that I can use somebody
You know that I can use everybody
Someone like you
Off in the night, while you sleep, I'm off to feast
Waging wars to shake the monster and the beast
I hope it's gonna make you know this
I hope it's gonna make you know this
Someone like me
Someone like me
Someone like me, somebody

I'm ready, I'm ready now
I'm ready now, I'm ready now
I'm ready now, I'm ready now
I'm ready now
Someone like you, anybody
Someone like you, somebody
Someone like you, everybody
I've been roaming around,
Always looking down at all I see
People voting again in me…

quinta-feira, 14 de abril de 2011

O Rinoceronte da Gestão

De todos os animais da selva, o rinoceronte é dos mais estranhos. Tem uma carapaça tipo armadura medieval, que nos pode remeter para histórias de cavaleiros medievais, condes, duques. Os cornos são dois, parecendo ser óbvia a origem, mas como estão um à frente do outro reforçam a ideia da lança na mão do cavaleiro…Também há rinocerontes sem cornos, mas são raros.

Normalmente é pacífico, mas se sente ameaçado investe, bruscamente, para onde estiver virado e continua na mesma direcção, levando tudo à frente, seja o que for que estiver no caminho. Não adianta distraí-lo, que não muda de direcção.
O rinoceronte juntamente com o leão, o leopardo, o elefante e o búfalo, constituem os chamados big five. Pena não incluir o Hipopótamo e teríamos os big six, um pouco como antes tivemos as big six e com a fusão da Price Whaterhouse com a Coopers também passámos a ter as big five: Arthur Andersen, PricewaterhouseCoopers, Deloitte Touche Tohmatsu, Ernst & Young e KPMG. Depois do furacão da Enron, nada ficou na mesma e passámos para as big four: Deloitte, a PricewaterhouseCoopers, Ernst & Young e a KPMG.

Mais pela astúcia do que pelo pequeno formato, retiramos ao nosso grupo de animais selvagens o leopardo e também ficamos com os big four. Na selva de betão, exactamente como na selva africana…

O nosso gestor rinoceronte também é um peso pesado, reveste-se de uma armadura de cavaleiro medieval, armado com os pergaminhos familiares que remontam, no mínimo, a D. Afonso Henriques. É pena que não tenha aprendido nada com a história de Egas Moniz, mas paciência, é como no passado, uns têm a fama e outros o proveito. Neste caso uns pavoneiam-se e outros têm o mérito e a honra…

O comportamento destes gestores é muito semelhante ao do animal com cornos acima do nariz, que lhe dá o curioso nome. Parece calmo, mas de repente, por qualquer razão, investe (não confundir esta palavra com qualquer atitude que implique alocar recursos financeiros a projectos). Investe, mas numa direcção, sem olhar para o que se passa à volta ou para onde vai. Investe à força toda, qual besta cega obcecada com uma qualquer coisa, real ou não.

Teimosamente persegue o fantasma que acredita verdadeiro, nada o faz parar, leva tudo à frente, e dificilmente se cansa…Os amigos dizem que é compromisso e dedicação, mas é apenas teimosia e cegueira de quem não consegue ter uma perspectiva do mundo e da empresa.
Serão birras, serão obsessões? Só um psicólogo especializado neste tipo de animais poderá dizer. A mim fica-me a certeza que, pelo seu comportamento e porte, estamos em presença de grandes bestas.

Dia Mundial do Beijo

Um beijo apaixonado liberta endorfinas, combate a depressão, diminui o stress e queima calorias. Não terá sido uma surpresa completa, esta quantidade de vantagens mas é sempre bom saber….

Comecei o meu dia com um beijo, mas desconhecia nessa altura a existência deste dia e, pasme-me a minha ignorância, não conhecia também a existência de uma ciência como o nome de filematologia, que se dedica ao estudo do beijo.

Que o beijo provoca o aumento do ritmo cardíaco parece-me óbvio, mas que durante a nossa vida damos cerca de 24.000 beijos desconhecia. Fazendo contas parece-me pouco! Uma média de 1,5 por dia? Haverá beijómetros, para os contar? E a catalogação? Apaixonados, ternos, sensuais, paternais, fraternais, enfim. Contar e classificar, ao mesmo tempo, não deve ser fácil…E já não estou pensar em coisas mais complexas. E ainda não me referi ao efeito dos saltos altos nos beijos, ou nos beijados, mas aproveito para uma referência à fonte de parte desta informação.

Tudo isto a propósito do beijo, mas com o pretexto de mandar um beijinho a todas as minhas leitoras, neste dia dedicado ao beijo. Aos meus leitores, deixo um abraço, para manter a paridade. Obrigado por me lerem e comentarem. Espero que se divirtam!

PS. A repetição da palavra beijo prende-se com a formação de SEO que ainda está fresca.

domingo, 10 de abril de 2011

Carta à madrinha

Querida Ângela


Espero que estejas bem, na companhia de todos os teus, na graça do Nosso Senhor do Banco Central. Nós por cá vamos como sabes…

Estiveram cá aqueles dois amigos teus, e recebi-os lindamente. Para evitar bocas reaccionárias sobre gastarmos muito dinheiro numa época de crise não os levei ao eleven. Já estou farto de bocas desses tipos que se pudessem faziam a mesma coisa que nós. Como não podem fazer, ficam furiosos…Assim achei melhor e mais discreto, um pequeno banquete, cá em casa (a que tu conheces, lá para S. Bento). Fiz tudo o que eles mandaram, mas os portugas não perceberam nada! Burros! Acharam que aquela ideia das novas medidas para os lixar eram minhas, imagina só! Que galhofa…Parti-me a rir quando começaram a dizer que eu tinha combinado tudo contigo e com o Molão, vê bem! Essa grande mula é que se safou aí na Comissão Central. Já viste como está gordo? Parece um porco, pronto para a matança (ia dizer boi, mas pode ser mal interpretado) …

Acabei por os comer a todos de cebolada! Coelhinho de cebolada, assado em cavacos do campo, uma delícia…E acompanhei o coelhinho com a lebre do Loucinha, que me soube muito bem !!!! O que me ri. Só tu sabes (tu e aquele teu ministro dos negócios estrangeiros, sabes, aquele que gosto muito)… Agora ando a arrastar a asa ao Janelas, para ver se o enrolo. Ainda vai dar um pratinho jeitoso…

Demiti-me com um daqueles gestos teatrais que tenho que te ensinar, pois a tua imagem anda mal cuidada. Lembra-me de te apresentar o Luis, que tem muito jeito para a imagem, numa próxima vista. Tu trazes-me o tal ministro e levo-te o Luis.

Voltando ao assunto, consegui sair por cima (o que eu gosto mais, como sabes), a culpa do pedido desta semana dos mil e quinhentos, foi deles, por chumbarem as medidas extraordinárias que os teus rapazes tinham dito! E agora vou obrigá-los a fazerem o pedido grande, aos tipos do Fundo de Estabilidade! Com isto tudo, claro que a culpa deixou de ser da crise internacional, para ser dos camelos das oposições e já os comecei a tratar abaixo de cão e no plural! Tenho-me fartado de rir…

Por falar em crise, viste os gajos da Islândia? Cabrões, safaram-se! Bateram o pé e estão a cumprir. Já anda toda a malta a falar deles. Aqui tive que proibir as notícias sobre o assunto. Está congelado. A Irlanda também já está a safar-se… Daqui a pouco ficamos só nós e os gregos.

Bem, tenho de acabar por vou para o meu palco interno, para a aula magna. Há quem lhe chame congresso e eu alinho nisso. Ainda ninguém reparou na oportunidade das datas! Se puderes manda-me o tal rapaz, pois preciso de umas ideias para lixar os tipos da TVI, que andam a levantar cabeça outra vez. Aproveitamos para fazer mais um acordo, qualquer coisa sobre o nuclear ou os gays, que o Loucinhas e o irmão do Janelas andam-me a roubar esses votos todos, e tu precisas de melhorar a tua imagem nessa área.

Um beijinho grande para ti, e abraços ai à rapaziada.

Teu,

Socratellium

PS Vais ao festival DIXIELAND de Dresden? Continua a ser muito giro, vai lá muita gente e podias aproveitar para ganhar votos e melhorar a tua imagem!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Rock Rendez-Vous

Já que falei no  Rock Rendez-Vous, aqui vai o link do artigo da wikipedia sobre esse local mítico...

Pôncio Cavacus

Há homens que ficaram na história pelos seus actos. O prefeito romano da Judeia, Pôncio Pilatos, juiz que condenou Cristo, foi um destes casos. Feito o julgamento, percebendo alguma injustiça, ou antevendo o futuro, entendeu desresponsabilizar-se, passando o ónus da decisão para o povo, com esse famoso gesto de lavar as mãos que, passados dois mil anos, tantos repetem no seu dia-a-dia.

O nosso Pôncio Cavacus, perdeu a oportunidade de ficar na história, quando podia ter decidido qualquer coisa e não decidiu nada, ou quando decidiu o que achava que o povo queria que ele decidisse. Erro de juízo, pois o povo não queria nada disso, e não preciso de me armar em profeta do povo portucalensis.

Pôncio Cavacus foi eleito pela maioria do povo que votou, numas eleições em que a abstenção foi a maior de sempre. Ainda não refeito da vitória, logo no próprio dia e ao ter a certeza dos resultados, mostrou o que valia, no seu discurso ao povo. Não foi misericordioso com os vencidos, perdeu estima. Na tomada de posse, frente aos tribunos, prometeu o que não podia ter prometido: Que ia exercer influência no governo, que ia mexer na governação, que ia puxar os fios às marionettes… Uma espécie Iznogud ao contrário, o grão-vizir que queria ser califa em vez do califa (e que saudades tenho dessa banda desenhada do Goscinny).

Não contava o nosso Cavacus com a sageza (adoro esta palavra) do Calígula Socratellium, que o enrolou a ele e ao seu protegido, o Tribuno Coellinium, com a estratégia de vítima patriótica, que se demite porque fez tudo por Roma, a bem de Roma e a favor da República Romana…

Cavacus perdeu o seu lugar na história e mostrou a pouca fibra que tem. Mostrou que não é um estadista, mostrou que sabe lavar as mãos como sempre fez, quando promulga diplomas e publica no mesmo dia um edital a dizer que não concorda com o que promulgou. Cavacus, de tanto lavar as mãos é o político das mãos bem lavadas. E certamente que estão limpas, de tanto as lavar...

Ao chamar o povo a votar, voltou a lavar as mãos, em vez de as meter no barro, para moldar um governo de consenso, de gente competente, intelectualmente séria e idónea. De gente com os pés na terra e não com a cabeça enterrada na areia ou cheia dela e o telemóvel cheio de bons contactos. O povo está farto de cabeças no ar, que acreditam que, sem perceberem nada da matéria, com um boa cábula, seja ela de papel ou teleponto, podem fazer um bom teste…

O nosso Cavacus, depois de sujar as mãos no barro, poderia lavá-las, ao apresentar esse governo aos senadores. Sem as sujar, estar continuamente a lavá-las, perde as defesas e a insegurança que denota, mais faz parecer que sofre do Transtorno Obsessivo Compulsivo das Mãos Limpas…

terça-feira, 5 de abril de 2011

Lady Socratellium

Neste caso não é antebelllum, mas postbellum. A bella comeu o coelhinho, o tio do coelhinho e os outros todos... Vamos ver se não apanha uma indigestão!!

É por estas e por outras é que eu gosto da rádio comercial. Parabéns ao Vasco Palmeirim, que nos deu esta bela versão...

Siga o Tio pelo e-milio