sexta-feira, 10 de junho de 2011

Facto ou fato?

Até agora sempre me tenho manifestado contra o acordo ortográfico. Até de forma activa, subscrevendo a causa no Facebook. E continuei quando percebi, como todos os outros subscritores, que não valiam nada as mais de 100.000 assinaturas digitais, porque a nossa sociedade digital e desmaterialização dos actos é de cartão canelado. Tem ar no interior e por fora, papel de embrulho. Iniciativas de cidadãos só em papel, que muitas vezes tem a função do habitualmente designado por higiénico…

Hoje encontrei outra vantagem no dito cujo, e que vem da ablação da letra “c” na palavra facto. Uso esta palavra – ablação – propositadamente, porque até hoje, me parecia uma violência que facto e fato se escrevessem da mesma maneira.

Hoje mudei de opinião. Na expressão “Facto Político” a palavra “Facto” deveria escrever-se sem “c”. Apenas nesta expressão. Os outros factos continuariam a ser naturalmente escritos com “c”.

A explicação para esta mudança de atitude é simples. Os políticos para majorar o tempo de antena, para se aguentarem na ribalta, para serem mais vezes citados nas redes sociais, na imprensa escrita enfim, para sobreviver como políticos, precisam de criar factos políticos. Os últimos governos foram pródigos em exemplos de factos políticos, o último deles – o famoso PEC 4 mas LEV 3, vai ficar na história da política portuguesa.

Pois bem, se por um lado precisam de factos políticos, por outro lado estão sempre a mudar de fato. O que me interessa agora é o sentido figurado, a mudança de papel para manter o estatuto. É o tipo que é antimilitarista, talvez até objector de consciência que vai para Ministro da Defesa, o outro que nunca trabalhou na vida (aplica-se a quase todos) que vai para Ministro do Trabalho, o que nunca entrou numa sala de aulas que vai para a Educação. Enfim, até seriam sustentáveis estas situações, mas o que dizer daquele que conhece o Algarve das férias na Balaia e é candidato pelo distrito de Faro? Ou do outro que ouviu falar do Arcebispo de Braga e se candidata por Braga? Ou do conhece a lenda do D. Fuas Roupinho e se candidata pela Nazaré? E quando nas eleições seguintes, o que se candidatou ao Parlamento Europeu aparece como candidato à Câmara de Faro? Ou de Braga? E a seguir aparece como cabeça de lista para a Assembleia da República por outro distrito qualquer? Não acredito que seja fruto da polivalência política. É do fato! Tira um, veste outro e subvertendo o dito popular, como tantas vezes os políticos fazem à vontade do povo: O fato faz o monge, neste caso o político! O facto faz o político, fato e facto são uma só realidade e uma só palavra. Por isso, no meu fato azul-escuro, vou passar a escrever fato político. E assim, ao usar o acordo, também mostro o que sinto pela classe, em geral.

12 comentários:

  1. Pois eu continuarei a refilar... tiram-me tudo mas não vou entregar os Cs de mão beijada ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  2. lol É só fogo fato...lol

    Não gosto de fardas. É um fato! De fato é um fato com história:)


    Neste momento haverá um fato às riscas para ti...

    lol

    ResponderEliminar
  3. Abres uma excepção à aversão ao acordo ortográfico, no que diz respeito aos políticos?? Mas eles abrem alguma excepção por ti?? Ó tio, não havia nexexidade... :) beijinho

    ResponderEliminar
  4. Isa,
    Eu também! Foi apenas uma forma de mostrar o que sinto pelos factos políticos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. M.,
    De fato... É o meua minha fardo! O vale é que vou mudando no dia a dia
    ;)

    Riscas, mas não muito largas...

    ResponderEliminar
  6. Eva,
    Course not! Nem sequer é para dar um ar de modernidade. Foi mesmo para mostrar o que penso dos dois temas.
    E viva a casual friday...
    (e até pode ser a do Heinlein!)

    ResponderEliminar
  7. Na minha terra diz-se: "A albarda enfeita o burro" :)

    ResponderEliminar
  8. Pseudo,
    Na minha também! E pelos alfaiates que frequentam, andam bem enfeitados!

    E bem albardados...
    ;)

    ResponderEliminar
  9. M.,
    "É o meua minha fardo"
    ou seja uma mistura de sina com fardo, mais a pressa de teclar. É o meu fado, f.
    ;)

    ResponderEliminar
  10. És rápido de mais para o teclado...lol

    ResponderEliminar
  11. Também sou uma acérrima defensora da nossa língua, agora quanto aos políticos, quer estejam de fato ou de facto para mim de facto não me interessam nada.
    Obrigada pelo apoio que me tem dado.

    beijinhos

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio