segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Talvez não vá dormir a casa.


Esta frase, sem qualquer acentuação, despertou-me da sonolência habitual do final de tarde de um dia stressante, enquanto tentava repousar por uns minutos num comboio. São aqueles minutos que valem por horas e que aproveito algumas vezes. Vi o mar calmo e tranquilo. Podia ser no Estoril ou em Espinho.
O tom de voz não era ameaçador, enigmático ou sequer zangado. Se houvesse algum sentimento naquela calma, seria tristeza. Uma tristeza calma, mas profunda.
Um leitor de MP4 envia-lhe um kuduro progressivo que eu próprio ouvia. Ligeiramente, de forma discreta mas constante, abanava a cabeça ao ritmo que eu também sentia.
Um telemóvel na mão e outro no colo, ao lado do MP4, iam debitando sms que iam sendo respondidos. Um deles tocou. Deve ter vibrado porque não o ouvi, talvez entretido pelo ritmo contagiante do kuduro, ou embalado pelo mar da baía, talvez de Cascais, talvez de Cadiz...
Não queria ouvir, mas não podia deixar de o fazer. A menos que me levantasse e mudasse de lugar o que também não me apetecia nada fazer...
Olhei-a de relance, mais uma vez. Um rosto bonito, tranquilo, uns olhos que, com dificuldade, tentavam ser inexpressivos. Teria vinte anos? Não sou nada bom a adivinhar idades, mas de certeza que não teria mais de vinte e cinco.
Disse que tinha uma notícia que a tinha deixado de rastos. E percebia-se. A calma era de tristeza e a mágoa era profunda. Não era uma ferida ligeira, feita de raspão, sem consequências.
Não queria acreditar no que ouvia, nem queria ouvir o que dizia. Felizmente o comboio lá ia anunciando as estações, e o barulho feito por um grupo de estudantes permitia não ouvir, apesar de não dar para isolar completamente.
De repente, sem qualquer aviso prévio a carruagem ficou gelada. Acho que fiquei paralisado, talvez seja assim que se morre quando se fica parado no gelo. Sem vontade de se mexer, mesmo sabendo que será o fim. Fiquei assim e mesmo olhando para as letras vermelhas da sinalização do comboio, que teimavam em indicar 22º no interior, não acreditava.
Percebi que estava triste porque o amor da sua vida, que recentemente a tinha deixado, já tinha novo amor. Tinha sido abandonada mas, pior que isso, trocada  por outra. Fiquei triste. Não acreditava que era o fim do mundo, mas pareceu-me que sentia que não teria energias para recomeçar...Que poderei fazer, pensei, sem grande esperança. Uma palavra simpática, um sorriso de ocasião? Perguntar-lhe se o kuduro era o que tinha pensado? Provavelmente não iria fazer nada e só seria mal interpretado.
Percebi depois que o amor perdido era de outra mulher. Era uma história de mulheres, entre mulheres. E aí nunca saberia o que fazer ou dizer…
Quando, depois da conversa agarrou no outro telefone e comunicou a decisão de, talvez não ir dormir a casa, fiquei com a certeza que qualquer boa intenção seria trucidada, mal interpretada e inconveniente. O que não me apetecia nada.
Nunca estamos devidamente preparados para todas as situações. Às vezes, ainda bem que é assim. Sobra algum espaço para o improviso, para a originalidade, para o arrebatamento da paixão. Outras vezes não. Não me sobrou nada. Não por ser mulher, ou homem. O ser mulher dificultaria ainda mais qualquer coisa que tentasse. Foi pela determinação calma. Foi isso que me deixou triste. Um pouco como a inelutável calma e serenidade das marés, antes das tempestades...
As probabilidades de a rever são infinitesimais. Desejo-lhe felicidades.
Que se encontre e encontre a felicidade tranquila que a calma que ostenta parece pretender.
E que possa um dia descobrir que não somos todos iguais... E que vale a pena tentar de novo, não talvez, mas sempre!

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Votas e Votos para 2015

Como habitualmente, aqui venho desejar-vos muitas e boas festas em 2015. 

Influenciado por esta tendência, de origem new-socrática certamente, de se dirigirem a todas e a todos, como se todos não incluísse todas, aqui ficam as minhas votas e os meus votos para a Ana Nova, para o Ano Novo e para todas as Anas que não sendo novas, também não são velhas, porque nunca o serão. Este é um desejo escrito na forma new-socrática, como repararam: Que as novas e os novos nunca fiquem velhos, mas cresçam em sabedoria e experiência.

E para todas e todos que não sendo Anas, nem Anos, desejo também Felicidade em palettes, charters, ou noutra qualquer unidade de medida que queiram. Pode ser alqueires de Felicidades! 


Para as habitantas e habitantes de Évora, que têm sido tão visitados desde final de Novembro, desejo em especial, que tantas visitas não resultem numa nova taxa para os munícipes dessa simpática cidade. Desejo que conservem esse novo atractivo urbano durante bastante tempo, para que todas as portuguesas e portugueses que não têm mais nada que fazer a não ser window shopping, possa experimentar o jail shopping, descobrindo que se pode combinar voyeurismo e turismo, num novo segmento emergente, o voytur.

Para os cientistas que estão a preparar a expedição à fossa das Marianas, onde se encontra o processo dos submarinos, desejo que não se percam no Pacífico, nem se deixem perder por fossas desconhecidas, nem que tenham que partir umas fuças, enquanto procuram as fossas.

A todos vós, queridas e queridos amigos que aqui me dão o gosto de vos receber, desejo um ano sem tubarões nem robalos ocultos, mas com muitos salmonetes, sardinhas, litões, cações e outros peixes acabados em ões, como limões, mangas, papaias e peras abacates. E nozes, que nunca fiquemos sózes, claro!

Siga o Tio pelo e-milio