quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Entidade Reguladora do Sexo - ERSex

Depois de um Ministério do Sexo, com ministra nomeada e com plenos poderes e apesar de se encontrar ainda pendente de nomeação o Secretário-Geral do Sexo, motivado pela actual crise económica financeira e etc, pareceu-me oportuno sugerir ao governo a criação de uma Entidade Reguladora do Sexo. É certo que esta ideia será polémica, mas parece-me minha obrigação, como cidadão, dar um contributo para resolução da crise. A recente alteração legislativa que permite a mudança de sexo pela via administrativa, o muito esperado simplesex, vem tornar imprescindível a implementação imediata desta Entidade Reguladora.

O sexo é, desde sempre, uma actividade que tem escapado à regulamentação, pese embora ter havido várias tentativas de a controlar, como atestam os rumores que tentam explicar a origem da palavra FUCK através de acrónimos, como seja o “Fornication Under Consent of the King" ou o "For Unlawful Carnal Knowledge" (pelos vistos alguns privilegiados teriam autorização para tal). São mitos urbanos, mas o que é certo é que a actividade existe e não tem sido regulamentada nem tributada, o que é inadmissível nos dias de forte crise (já esqueceram o eufemismo do abrandamento do crescimento, que podia ser mal interpretado). Não acredito nesta origem da palavra, pois seria admitir que os saxões teriam descoberto os prazeres carnais antes dos portugueses, o que é impossível: Adão e Eva, como aprendemos na catequese, os primeiros a experimentarem o sexo não autorizado, são nomes portugueses, autênticos, e apenas mais tarde adaptados para Inglês, o que prova que somos mais antigos nestas artes e reforça ainda mais a necessidade desta Entidade.

A ERSex, ombreia e vai partilhar informações com outras Entidades Reguladoras de extrema importância, como sejam a ERS (Saúde), a ERSE (Energia), ANACOM (Comunicações), o INIR (Estradas), etc, com o intuito de prestar um bom serviço a todos os cidadãos, zelando pelas boas práticas no sector. É uma entidade ainda mais transversal à sociedade e que se prevê de extrema relevância na defesa dos direitos liberdades e garantias dos portugueses.

Foi já publicada em Diário da Republica a constituição da Entidade, que em conferência de imprensa já fez saber que vai ser nomeada uma comissão de peritos para estudar ampla e profundamente os hábitos sexuais dos portugueses, tendo em vista num horizonte temporal curto serem publicadas no site da ERSex as boas práticas sexuais portuguesas (BPSEXP). Foi já anunciado que estas actividades estão sujeitas ao regime jurídico das contra-ordenações e a tabela de coimas foi já publicada no site da Entidade.

A Entidade ofereceu ainda um bacanal de honra, que terminou já de dia. Fontes não identificadas atribuíram ao Presidente da Entidade a afirmação “Dentro de meses os portugueses estarão todos F….” Esta afirmação foi prontamente desmentida pelo porta-voz da Entidade, que terá referido a existência de uma cabala para desacreditar a instituição e diabolizar os seus responsáveis.

Leituras recomendadas sobre etimologia da palavra inglesa:
http://www.time.com/time/nation/article/0,8599,1857851,00.html#ixzz10rchqDL6
http://en.wikipedia.org/wiki/Fuck

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Menage à trois, versão sociedade de consumo

Sim, também há menage à trois em Portugal, facilmente acessíveis, em muitos locais. Não é preciso procurar emoções diferentes em cidades grandes, centros cosmopolitas, ou locais discretos. Para os aproveitar nem é preciso ser muito afoito ou desinibido, ou gostar de emoções fortes e menos comuns. Este novo conceito, não tem origem no plano tecnológico, pois essa versão, mais económica, também não tem as mesmas potencialidades da versão sociedade de consumo, que hoje apresento

E quando me referia à versão digital, também não me referia ao famoso blog homónimo (oh Deba, volta, sff) que tão boas leituras nos proporcionou, durante algum tempo. Soube a pouco, infelizmente. Claro que Deba é a versão algarvia do nome da autora.

Bem chega de suspense (outra palavra dessa língua tão sensual, que adoro), e vamos ao ãmenage à trois, versão sociedade de consumo. Penso que uma explicação razoável para esta súbita vontade de experimentar esta receita, poderia prender-se com a vontade de ter um tacho que muita gente sente. Esta teoria explicaria também a mudança dos hábitos sexuais dos portugueses e das portuguesas…. Uma imagem vale mil palavras e por isso aqui ficam, em forma de fotografia, a versão sociedade de consumo, prova real de que é um prato muito apreciado em Portugal:


quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Quem fala assim não é Gaga

Mas é de certeza uma Lady...

(BLog Da Bilá)*: Adorei esta...

E acho que tenho que escrever qualquer coisa a confirmar esta história.

Preservativo português

“A inteligência apertada discorre” é um conhecido aforismo que as recentes medidas de contenção tornam mais actual…Por outro lado, é cada vez mais premente a necessidade de conservar, de poupar, em detrimento do consumismo desenfreado. Esta tendência é mais marcada nos que vivem do seu ordenado sem as chorudas benesses de alguns (e já são tantos), privilegiados da nomenclatura actual.

E o Tio, não é excepção: É português, também usa de alguma contenção e sobretudo é sensível à protecção do planeta terra. A solução encontrada para proteger a ligação com o mundo durante mais um curto período de férias foi esta. Não registei a patente…

domingo, 12 de setembro de 2010

Regressarium

Não percebo nada de latim, mas confesso que as línguas latinas me atraem. Em rigor, tenho que confessar que também não sou indiferente às eslavas, se bem que na maior parte dos casos, sinto que lhe falta aquele calor, sonoridade e a sensualidade das latinas.

Enfim, são gostos e talvez seja essa a razão pela minha atracção pelo norte do país, de raízes mais romanas, enquanto o sul, me sugere mais a minha origem árabe, de nómada e, porque não, de sulista, elitista e ex-fumador (não me lembro se o candidato a primeiro ministro juntou aos defeitos o tabagismo, mas fica bem). É o cocktail das civilizações e o porto das influências…

E assim chegamos onde tinha pensado. Ao regresso de férias para muitos, a que alguns insistem em chamar rentrée…

O Tio adora partidas e como tal, também gosta de regressos, já que são os dois extremos do percurso. Ontem no Populum, renovado, antes de mais umas curtas férias en El Algarb, lá foi ao regressarium. E adorei…

Até para a semana! Bons regressariuns! Ou será regressaria, no plural?

sábado, 11 de setembro de 2010

Tiologia

A tiologia é um ramo do conhecimento que estuda os tios e as suas relações. Por vezes esta ciência pouco exacta mas com muitas regras, a que alguns chamam etioqueta é confundida, erradamente, com a tiocracia ou com a tiosofia.

Acontece que tiocracia, como o nome indica, resulta do grego kratos, poder, e de tio (que também tem origem grega, claro). A tiocracia é o governo dos tios. Ou seja, uma forma de governo onde o poder político é exercido por um grupo de tios. Mais uma vez se deve usar do maior cuidado para não confundir “governar” como a forma reflexa “governar-se”. Os tios não se governam a eles próprios, nem na forma reflexa nem no conteúdo, antes governam os outros. E qualquer alusão ao QI (acrónimo de Quem Indica), como fundamentação das escolhas é vivamente desaconselhada. O governo normalmente faz-se de forma indirecta, onde temos que salientar, pelo mais elementar sentido de justiça, o relevante papel das Tias nesta gestão discreta de destinos e recursos. A graça com que não dizem, mas sugerem, é uma capacidade rara e original desta espécie, como por exemplo: Apetecia-me um banho de mar … na Sardenha. Ou: Que saudades tenho daquele verão em … Monte Carlo. São meras frases que transformam o mais sisudo tio num paladino incansável na satisfação destes desejos.

Tiosofia, é o manual de conduta, o livro vermelho, a bíblia dos tios. Pertencer a esta casta é um desiderato de muitos, mas a que poucos, em verdade, conseguem chegar. Os tios como alfa e ómega da civilização, é o dogma desta tibo. Uma maneira simples de ver, e viver, a vida. Os que aderem a esta filosofia de vida, designam-se por tioffosi. Arquétios, são os modelos de comportamentos que fazem parte do inconsciente colectivo desta classe (oh tio Jung, o tio tava com toda a razão…).

Tiogonometria, como o nome indica é a disciplina que estuda os tiângulos, as relações entre os lados e os ângulos nos tios. O tiângulo recto é mais difícil de encontrar apesar de ser neste caso especial que têm origem todas as relações. O Tiorema de Tiantónio, que cito, é um exemplo desta ciência: ”A soma de um tiângulo rectângulo com um escaleno, origina uma figura geométrica conhecida como quadrada e um segmento de recta”.

Tiopologia, é a ciência que estuda as formas dos Tios, com vista a obtenção de categorias, uma espécie de taxonomia tiana.

Tiorema é uma verdade, evidente para os todos os Tios, mas eventualmente de difícil compreensão para o comum dos mortais que têm que a aceitar como verdadeira, mesmo que tal não pareça e mesmo que a demonstração não seja consequente.

Tiologismo é um dos raciocínios muitas vezes usados para demonstrações, desnecessárias, de Tioremas.

Está neste momento em curso a publicação de um Tiocionário com toda a terminologia desta ciência, também por vezes referida, por alguns autores, como “cientiologia”.

E hoje fico por aqui. O fim-de-semana já tá ai e tio tem pograma. Sim a falta do “r” é de pepósito, tá a ver?

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Why Don' t You

Recordo, sem saudade nem amargura aquele “why not?”, pergunta despretenciosa e quase inocente, feita por uma cidadã de nacionalidade russa no hall de elevadores de um famoso hotel na capital desse país tão acolhedor, no que respeita a algumas coisas. A minha miúda, companheira de viagem, não se apercebeu e durante os dezassete andares que durou a viagem fiquei a pensar naquela nega e na eficiência daquele país. Para quê perder tempo com rodeios? Sobra mais tempo para o resto, desde que tal não signifique, bem entendido, a dispensa de preliminares, ou um percurso em linha recta. Linhas rectas só famoso triângulo das Bermudas, ou dos Shorts e do rectângulo Algarvio.

Bem, para dizer que ao “maybe later…” com que o monumento de 1,90 fechou o diálogo, não tive presente o “why don’t you…”, que podia ser uma resposta imaginária, recurso último de quem não quer dizer que não por simples questões que se prendem com aquela parte do cérebro que dizem que temos em comum com os lagartos, e também não poder (talvez nem querer) dizer que sim, por razões tão evidentes que nem vale a pena comentar.

Bem e já chega de comentários sobre frases. Pressinto que esta segunda referência a este episódio de Moscovo se deve a saudades do local e que os elevadores são omnipresentes na minha vida… Deixo-vos esta fantástica versão de Gramophonedzie do celebérrimo Why don’t you. Afinal na Sérvia também há vida nocturna, pelo que posso perceber. Cá em Portugal é que ainda não chegou o disco…e a primavera de Praga, já deu lugar ao Inverno.

Dancemos, mais não seja para alegrar a alma e manter o corpo e espírito em forma.




E um beijinho para a minha amiga S que me fez descobrir esta música fantástica!

Siga o Tio pelo e-milio