sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Dissertação de merda sobre as casas ditas de banho



Ao comentar este post da Pseudo, sinto-me na obrigação deescrever alguma coisa sobre o assunto das casas ditas de banho, onde também sedefeca, faz a barba e outras coisas mais interessantes. A propriedade distributiva não se aplica, mas a associativa sim. Podemos fazer as coisas mais interessantes, antes, depois ou durante o banho, que pode ser repetido (ou as coisas mais interessantes). Obrar antes, pode ser conveniente nalguns casos, mas preferencialmente noutro espaço. Numa outra casa de banho, como dizem na minha terra, num outro quarto de banho, como dizem aqui, mas também pode ser num quarto de defecar e lavar as mãos, como existem nalguns países. Se quisermos ser mais púdicos na linguagem, podermos chamar-lhe “o quartinho”. Enfim, é uma questão de gosto pessoal e quantidade de chá tomado em pequeno.

Já a peça colateral ao banho, mas central no tal quarto de defecar, é que tem nome. Chama-se retrete e não outra coisa mais maricas, como sanita. Sanita é a Tia Sanita, de baptismo Conceição e Sanita de “petit nom”. Como a Tia Xaxão, também se chama Assunção, nome que a ninguém passaria pela cabeça usar. Chamar sanita a uma retrete é como chamar viatura ou automóvel a um carro. Mariconadas, como diriam os nuestros hermanos!

Devem ser os gajos com esposas, possuidores de viaturas automóveis, que bebem café e tomam leite que usam sanitas para obrar. Chamam mãe à mulher e em vez de perguntarem pelo filho (só têm um, dois com azar, ou pela vontade de Deus), perguntam pelo menino. Mãe, onde está o menino? É a frase predilecta, mas pode vir seguida de: Mãe, o menino já foi à sanita hoje? Estas pessoas defecam em sanitas. Não usam retretes, nem latrinas (parece que é melhor para a saúde anal). Não vejo outra possibilidade. Não mijam, delicadamente urinam e como não têm mictórios – o sítio correcto para urinar – são forçados a usar as sanitas, baixando a tampa cuidadosamente. Não mijam no banho, nem sequer urinam. Usam o dito quarto, mas não aproveitam o banho.

Enfim, muito haveria para dizer a propósito dessa pseudo snob palavra. Não vou continuar. Uma imagem vale mais do que mil palavras. Quando tirei a fotografia, imaginei a reforma - la retraite – mas hoje está tudo relacionado: A reforma é uma merda, dizem os reformados. A não ser para quem está no trono, digo eu. Os que estão no trono não defecam. Cagam. Ironia do destino…



quinta-feira, 26 de setembro de 2013

A primeira vez



Estamos em altura de eleições e vale tudo. Aliás não vale nada. Neste cenário onde o centrão se impôs, é quase absolutamente indiferente quem disputa as eleições e quem as vai ganhar. Ficamos antecipadamente com a certeza que, no domingo à noite todos os leaders, chefes de fila e restante matilha dirão: Ganhámos as eleições! A justificação de cada um será, naturalmente, diferente. Na segunda-feira todos os jornais repetirão os discursos de Domingo, publicando resultados detalhados e extensas análises. Felizmente segue-se a terça-feira e já tudo terá terminado. Antevejo apenas alguns protestos, para justificar algumas posições que vão acabar em derrota, nunca reconhecida.

Enfim, tudo na mesma desde que o povinho adormece à sombra das telenovelas, vê o Benfica (ou qualquer outro club excepto o Sporting, Belenenses, Académica e, talvez, o Atlético), vibra com a selecção portuguesa a ganhar, chora com as catástrofes naturais alheias e vê cinema a devorar pipocas enquanto pergunta, com a boca cheia, à mais que tudo: Queres?

Não sei quando morreu a iniciativa, a vontade ou a inteligência. Deve ter sido há muito, porque não há centros interpretativos, para serem apreciadas pelo povo estas três virtudes não teológicas. Tiológicas, claro. Também não há museus dessas coisas, por isso não deve ter sido assim há tanto tempo.
Aprecio a originalidade, mesmo que irreverente, ou deslocada. Estou, em part-time, numa cidade a que já chamei a capital do maugosto político em Portugal. Alguns dos candidatos esforçam-se seriamente por continuar a merecer esse título, a avaliar pela última campanha. Outros são bons rapazes e puros de intenção.

Outras terras que não as minhas, lá para o Douro que tanto aprecio, esforçam-se por chamar a atenções de forma original. A primeira vez é o título deste vídeo que publico, retirado duma campanha eleitoral. Nem sei que partido é, mas tem piada.

Apetecia-me escrever algo sobre “a primeira vez”. Variações sobre a primeira vez, A primeira vez em Tiologia, ou A primeira, será de vez, poderiam ser alguns títulos de textículos sobre o assunto. Tenho escrito pouco, bem sei, mas como estamos em época de eleições, fértil em promessas, sinto-me compelido a fazer algumas…Cumprir é outra coisa diferente, que se verá a partir de segunda-feira.

Votem, sff. Mesmo que não seja a primeira vez. Normalmente gosta-se mais das seguintes…


 

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

O meu 11 de Setembro



Recordo perfeitamente o dia 11 de Setembro, com os alegados atentados às Twin Towers. Recordo perfeitamente que não acreditei na história do atentado ao Pentágono e mais tarde fiquei bastante surpreendido pelo modo como foi contado, difundido, propalado até à exaustão esse triplo atentado.

Nesse trágico dia numa reunião de empresa, no calmo ambiente das terras algarvias, recordo que se interrompeu a reunião para ver a repetição das imagens da CNN pela RTP, de termos retomado a reunião e alguém ter dito (permitam-me que não identifique a pessoa) que agora iam começar a tirar-nos o ar, referindo-se esperado aumento dos spreads, taxas de juro à brutal redução de consumo…

Independentemente das perguntas sem resposta sobre este assunto, fiou-nos uma certeza que confirmo 12 anos depois: O mundo como o conhecíamos acabou nesse dia.

E hoje para celebrar essa efeméride, também tive um terramoto, seguido de maremoto na minha alegre casinha. As datas serão coincidência? Sou inocente, acredito em histórias da carochinha, mas não interpreto coincidências como sinais esotéricos. E no entanto estou certo que este 9-11 que bem podia ser um 11-5, é um grito, um pedido de ajuda, desesperado, influenciado por uma série de coincidências infelizes e factos mal interpretados.

A história repete-se e hoje é a minha vez, de ao vivo e em directo, assistir ao desmoronar de uma grande parte da minha vida. Aquilo que só acontece aos outros, que sabes que te pode acontecer, mas que recusas a acreditar que te vai acontecer… E irrita-me profundamente saber tudo isto… Como me entristece saber que amanhã é outro dia e vai estar tudo igual, como também depois de amanhã, e para a semana mais ainda…Mas o mundo nunca mais será o mesmo.

Fica um vazio por preencher que o tempo se encarregará de amaciar, deixando um cova mais redondinha, que uma certa memória autística irá amaciar. Outros mecanismos do nosso inconsciente irão racionalizar, e esse oco passará a ser uma cratera, justificando a sua existência criando um memorial, relicário de recordações doces, algumas nunca vividas.

E é assim a vida, de factos, actos e omissões.

A esperança não morreu, vai morrendo em cada dia, mas há vida para além do Bojador!

Agarro-me aos remos. Remo em silêncio, sem nunca desistir.

domingo, 8 de setembro de 2013

The Britsh agreement or the new meat-win



The pouco holy-days in Algarve, tive acesso ao new meat-win agreement. Sim, os nossos irmãos britânicos, surpreendidos com o sucesso da nossa iconemia (já devíamos ter fechado o país, mas ainda estamos ligados à máquina), pesquisaram. A única explicação encontrada foi a adesão ao acordo ortográfico. Assim, analisaram o nosso acordês e chegaram à conclusão que tinham que mudar algumas palavras. Como já têm o Inglês, vão criar o Britês, idioma que unifica o galês com o Inglês do Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, África do Sul,Austrália e Turks and Kaikos.

Aqui vão, em segredo, algumas das novas palavras.

Antes do Britês
Depois do Britês
Fact
Fat
Shop
Xop
Chop
Xop
Methuen Treaty
Meat-win Treaty
50 cent
48 cent
White
Uait
Wait
Uait
Ship
Xip
Chip
Xip
Sheep
Xip
Beach
Bich
Bitch
Bich
Business
Bisnex
Fruit cake
National cake


Dos meus contactos no Algarve também fiqui a saber que, no maior segredo, também está a ser preparado um Germanês, para unificar o Alemão da Alemanha com o da Áustria. Não estamos sózes, no acordês, e este vai ser um argumento de peso nos pró-acordês...

Siga o Tio pelo e-milio