quarta-feira, 15 de junho de 2011

Everything but the kitchen sink

Não sabia como tudo tinha começado. Deu voltas à cabeça e nada lhe ocorria como a verdadeira origem da situação actual, que nada fazia antever seis meses atrás. Lembrava-se vagamente de pequenas coisas, como a história da pasta de dentes. Era preciso fazer aquele estardalhaço todo por causa da pasta de dentes? A sua tinha acabado e resolveu usar a dela, mas deixou o tubo com as marcas de ter sido apertado no meio e não na extremidade… Depois foi o Nestum no frigorífico. Distraiu-se e trocou os cereais com o pacote de leite… Em vez de colocar o pacote de leite no frigorífico colocou-o no armário e os cereais ficaram no frigorífico. Será que merecia tanta gritaria?

Estes dois últimos nadas trouxeram ao de cima histórias já velhas, como a roupa suja no chão, a toalha por endireitar e claro a inevitável história da tampa da retrete para cima…Coisas que ele nunca tinha compreendido. Poderia até perceber que ela se atirasse ao ar por ele deixar a banheira cheia de cabelos, o que nunca aconteceu, como também nunca aconteceu deixar o saco que habitualmente levava para o ginásio com as coisas lá dentro durante o fim-de-semana…Pensava como essas pequenas coisas a aborreciam agora, enquanto no passado, no seu apartamento nada importava. Agora que se tinha mudado para casa dela, tudo tinha passado a ter uma importância desmesurada.

Pensava no agradável que tinham sido estes dois anos que tinham vivido juntos, apesar dos grandes pedaços de vida que tinham ainda em separado, fundamentais para o equilíbrio de ambos e como tudo tinha acabado tão depressa.

Ele era muito cuidadoso nos mais pequenos detalhes e nas datas, nunca se esquecia de nada. Mais do que as prendas, era super atento aquelas pequenas coisas que fazem toda a diferença…

E logo na única vez que se esqueceu do telemóvel no carro dela, tinha que chegar aquela chamada aparentemente insuspeita, seguida do sms indiscreto…Bolas é preciso ter galo pensou.

Entretanto lá chegou a casa sem saber bem como a ia enfrentar depois do telefonema lá para o escritório…E para piorar a situação não pode sair logo. Não podia deixar aqueles clientes à espera e muito menos cancelar a reunião e o almoço. E a tarde completamente cheia e sem lhe poder falar! Parecia que não tinha interesse em falar com ela, mas claro que tinha. E já eram 8h30 da noite, quarta-feira, de certeza que ia apanhar o camião da recolha do lixo a bloquear a rua… Só faltava mais esta! E quem teria sido o imbecil que deixou aqueles sacos enormes junto ao contentor? Palermas de vizinhos, também já estava farto deles, não tinham o menor respeito pelos outros!

Lá conseguiu estacionar enquanto os tipos da recolha de lixo levavam os tais sacos enormes que lhe tinham chamado a atenção. Entrou em casa, dirigiu-se à sala e achou qualquer coisa de estranho, não reparou nem o quê, foi ao quarto e nada. Pareceu-lhe tudo estranhamente arrumado, excepto uma embalagem de sacos de lixo, tamanho industrial em cima da mesa-de-cabeceira. A meticulosa arrumação levou-o a abrir a porta do roupeiro. Completamente vazio!

Abriu a gaveta do móvel onde tinha algumas das suas camisas. Nada. Sem saber no que pensar correu para a sala. Os seus preciosos CDs e Banda Desenhada tinham desaparecido. Até os do Milo Manara que tanto gostavam de ler em conjunto… Voltou ao quarto e viu que no remanescente da embalagem de sacos do lixo fazia de pisa papéis para uma mensagem, simples e escrita à pressa. Guess were is everything that reminds me of you… Really everything, but the kitchen sink, were you should drown!



Este post, mais do que uma resposta ao desafio da Eva, é uma homenagem ao seu Blog e ao que julgo ser a intenção da autora! ( What I sink it his, em Macarronic English…). E claro voltei ao titulo sugerido no primeiro post do blog. Tio é Tio não muda, mesmo.

13 comentários:

  1. Muito bom ;) e o blog da Eva também ;)

    ResponderEliminar
  2. :)))Até me fizeste lembrar aquele meu texto do vestido de noiva deitado ao lixo no meio da noite :)O tipo deve ter tido o que merecia :))) E eu a imaginar o camião do lixo a essa hora a bloquear a rua, rsssssssssssssssssssssssssss. Olha, foi o que me aconteceu hoje, precisamente ,por coincidência, ou não, mais ou menos a essa hora!!!! :))Adorei que tivesses (finalmente, rrsss), atendido ao pedido... Obrigada Tio e não mudes mesmo!! Quanto ao texto, vou-me abster de fazer mais comentários para ser o mais isenta possível. beijinho grande

    ResponderEliminar
  3. Tulipa,
    Não exageres. que fico corado e começo a babar-me... O Blog da Eva, sim,e é muito autêntico!

    ResponderEliminar
  4. Eva,
    Tentei usar um tom parcido ao teu...Sim, lembrei-me desse teu post e do vestido da noiva.
    Quanto ao camião do lixo, como estou nas Maurícias, falha-me um pouco a questão dos fusos, mas enfim, efeitos do eclipse...ou da comida no cérebro ;)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Devia desclassificar-te dado que o título não é esse... mas eu como sou generosa, rrrrsssss, vou deixar passar, :)

    ResponderEliminar
  6. Eva,
    Ainda bem que aceitas o meu modesto contributo...By the way, quantas vezes queremos tudo, mas...
    :)
    bjs

    ResponderEliminar
  7. Conheço o blogue da Eva... mas depois de ler os comentários... fiquei a magicar como seria o Planeta Tio... a corar e a babar-se lol

    Bjos

    ResponderEliminar
  8. Isa,
    Essa do Tio corado foi um tudo nada exagerado, mas o comentário da Tulpa foi tão lisongeiro...
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. lol, claro que era exagerado... eu só piquei um bocadinho... apenas uma das minhas travessuras preferidas... ;)))

    Bjos

    ResponderEliminar
  10. Há dias que não correm nada bem... mas o concurso da Eva, já está a dar frutos :-)

    bjs

    ResponderEliminar
  11. Que belo resultado! Acho que ficou muita giro e até surpreendente! Gostei de ler!

    ResponderEliminar
  12. Mz,
    Obrigado pela visita! A Eva é assim...

    ResponderEliminar
  13. Briseis,
    Ainda bem que gostaste!
    Volta sempre!

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio