quinta-feira, 25 de junho de 2009

Aforismos populares e desaforos cultos

É conhecida a sabedoria popular, baseada na experiência, recheada de bom senso e servida com graça. Um ditado que resume uma forma de estar na vida, bem portuguesa, prende-se com a tomada de medidas depois de acontecerem factos para os quais deveríamos estar preparados mas não estávamos: “Casa roubada, trancas à porta” .

E que me desculpem os meus seguidores os meus leitores e as 17 pessoas que olharam para o meu perfil (as outras 615 foi o Tio, a ver se alguém o tinha visto), mas chegou a hora de trancar a porta.

Sou naturalmente a favor da liberdade de expressão e aprecio os britânicos nesse aspecto. Deixei esta minha casinha, que também é vossa, livre para todos os que entendessem deixar-me comentários. Mordazes, críticos, divertidos, incómodos e até sem graça. Durante bastante tempo diverti-me tanto com esses comentários que fui recebendo, como com os textos que fui publicando. Hoje decidi que não pode ser assim. Também nunca fui exageradamente fiel, apesar de extraordinariamente leal. Por isso este anúncio e esta justificação pública.

Também vi que não sou o único, que pessoas que admiro (sim, ainda tenho heróis e heroínas no dia-a-dia), pelos seus posts, pelos seus blogs, pela sua forma de estar, pelo modo como traduzem para texto e imagens situações sérias ou divertidas, com graça e sentido de oportunidade o fizeram. Nunca as tinha compreendido. Compreendi há dias.

Publicarei no entanto todos os comentários que generosamente me quiserem fazer. Prometo. Uma única excepção para aqueles que me parecer que, despropositadamente, têm como objectivo único o insulto vão, e não me sejam dirigidos a mim próprio, ou aos meus textos, mas a terceiros. E que me desculpem todos os outros leitores que me têm dado o prazer de vos ler!

Os meus princípios aguentam-se, de certeza.

3 comentários:

  1. Caro tio

    A liberdade de expressão é um direito que nos foi dado pela democracia, pela qual pagamos, muitas vezes, um preço muito elevado,o que me faz descrer um pouco dela, principalmente quando a linha ténue que separa a minha liberdade da dos outros fica completamente indecifrável.
    Aqui este lugar é seu, é uma parte de si, tem todo o direito de o defender. Quem o comenta como é o meu caso, pode e deve ser apagado, desde que o sinta e queira fazer, é um direito seu e um dever, neste caso meu, de acatar.
    MT

    ResponderEliminar
  2. Era o que faltava!!! Quem manda aqui no barraco, quem é???? Ai a vida! Apaga lá o que quiseres, mas estás absolutamente proibido de encerrar a porta ao comércio, estamos entendidos??? (até parece que sou eu que mando, não é?)

    Beijinhos e fico à espera do próximo post. Ai a vida....

    ResponderEliminar
  3. Pronto, pronto, XS tens toda a razão...Tu masndas mesmo! Vou ver se mudo isso ASAP
    BJS e obrigado

    Maria Teresa, Obrigado. Mas apagar é coisa que não gosto, nem devia ser preciso...

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio