sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Bolero em Copenhaga

Desde o "10 Uma mulher de sonho", que deixei de sentir a sensualidade do Bolero de Ravel. A música é fantástica, o crescendo é avassalador, mas vem-me à memória o Dudley Moore a levantar-se para ir por o disco no início e lá se vai a imagem da Bo Derek, com as trancinhas, na praia, a rebolar na areia…. A utilização do repeat, teria facilitado a tarefa, e eu continuaria a ter essa peça como uma as mais fantásticas músicas para o mesmo fim que a Jenny Hanley… mas nessa altura não deveria haver CDs...

O filme é uma comédia divertida, sobre a crise da meia-idade. E como já falei sobre o assunto, dispenso-me de o repetir. Mantenho o que disse, enquanto me vou deliciando com umas saladas, alternadas com pratos mais condimentados, os meus preferidos. Tenho que fazer um pedido, neste momento, a quem me lê. Se chegaram até aqui peço-vos, por favor, um pequeno esforço adicional e tentem ler o post com o título o Peixe, A Carne e a Meia-idade, aqui linkado….

O Bolero, ritmo de dança, não faz parte do menu das clássicas nem das latinas, mas também se dança. Não tem a sensualidade de outros ritmos latino-americanos, como a Kizomba ou a Bachata, mas dança-se com agrado. É leve e romântico, talvez adequado a essa faixa onde ainda não me revejo, mas já devo estar.

Inscrevi-me numa MobDance, mas foi cancelada! Não há relação entre os factos mas entretanto recebi este vídeo de uma FlashMob, em Copenhaga, na Central Station, que aqui partilho. É a Sjællands Symfoniorkester, a Orquestra Filarmónica de Copenhaga, numa ideia fantástica e divertida. Será que algum dia vamos ver algo do género na Estação do Rossio, em Santa Apolónia ou em São Bento? Entretanto espero que a imagem do George Webber, personagem interpretado pelo Dudley Moore desapareça de vez, enquanto penso nas potencialidades da Bolero e recordo a quantidade de músicas fantásticas do “Les uns et les autres” do Lelouche…

14 comentários:

  1. Este teu post é tão rico que nem sei por donde começar.

    Para que não me falte nada vou então clicar e ler o post que sugeres enquanto ouço este tema que poderá, dependendo dos gostos, superar o "bolero"

    http://ocantinhodomestre.blogspot.com/2011/10/maurice-ravel-introduction-and-allegro.html

    Já volto.
    :)

    ResponderEliminar
  2. Orquídea,
    Volta quando quiseres. Eu fico a ouvir a bela música que o LOL nos deixou...

    ResponderEliminar
  3. Depois de tudo o que eu sei sobre ti, tu ainda tens tempo para estas danças? :P

    ResponderEliminar
  4. E que tal acertares o relógio aqui do tasco? Era bem pensado, não?
    (Ainda te admiras dos nossos desencontros :P)

    ResponderEliminar
  5. Já vi o 10 e o filme não merece mais do que um 2... lol

    Quanto ao Bolero, associo ao Femme Fatale de Brian De Palma ( um filme quase brilhante).

    E o vídeo é magnifico. Assim dá vontade de andar de metro.

    ResponderEliminar
  6. Pseudo,
    Esta semana o blog vai estar em Cuba, quando voltar vem com a hora de Portugal. Não quero mais desencontros.

    E quatro horas por semana fazem muita falta para as danças!
    :)

    ResponderEliminar
  7. Daniel,
    O Brian de Palma é outra história, se bem que me parece haver ali algum efeito de colagem ao mestre Hitchcock.
    A Bo merece mais do que 2, apesar dos seus talentos para actriz terem ficado um pouco atrás (do esperado). A história tem montes de piada. O filme tem 30 anos, é do Blake Edwards, mas também não o ia ver outras vez. Bem, depende da companhia...

    ResponderEliminar
  8. O "já" acabou por ser muito extenso, assim como promete ser este comentário, mas... vou começar por uma ponta.

    O teu post fez-me viajar pelas minhas memórias que, reconheço, já estão um bocado apagadas. Sei que vi o "10" e que vi o "Les uns et les autres"... mas não guardo muitas memórias nem de um nem de outro.
    Se ontem, antes de ir rever as imagens do filme onde o Dudley vai a correr colocar o disco no início, me perguntassem com quem contracenava a Bo Derek... eu já não saberia responder.
    Para mim, pensar no Dudley Moore faz-me lembrar o riso estúpido dele no filme "Arthur", onde contracena com a Lisa Minelli... hehehehe. O que de melhor aquele filme tem é o tema musical, interpretado por Christopher Cross.

    ♪♫ «When you get caught between the moon and New York City... »♫♪

    Devo dizer que não sei o que se considera "meia idade". (Provavelmente também já lá estou... ou para ela a caminhar... mas neste momento faço como a avestruz: o que eu não vejo não existe, o que eu não vejo não existe!!)

    Com a esperança de vida a aumentar e as mentalidades a modificar-se, hoje em dia converso com pessoas desde a casa dos vinte até à casa dos setenta e [praticamente] não consigo notar grandes diferenças. Cada vez me convenço mais que não nos podemos orientar pela idade que o BI revela... porque cada um de nós tem a idade do seu coração.

    Quanto às FlashMob's, só tomei conhecimento deste interessantíssimo fenómeno há muito pouco tempo fico sempre arrepiada com o resultado final, sejam elas dançando ou interpretando peças musicais. Este vídeo que aqui partilhas deixou-me com pele de galinha. (lol)



    E termino [finalmente] com beijinhos arrepiados :)

    ResponderEliminar
  9. Ah, sorry... just one more thing:
    Não sei se já terão feito alguma actividade destas nas estações de comboio que focaste... mas sei de uma que ocorreu no Aeroporto de Lisboa!

    http://www.youtube.com/watch?v=q9A-WiHr59Q

    :))

    ResponderEliminar
  10. Orquídea,
    Agradeço o teu comentário e a partilha do link do flashmob no aeroporto de Lisboa. Não conhecia e pelos vistos já não é primeira vez que acontece.
    São movimentos muito giros e fiquei com pena que não se tivesse realizado logo aquele em que me inscrevi!

    Também não conheço mais filmes com o DM para além do Arthur, que não me recordo de nada... Já disse o que pensava da BD como actriz, se bem que até posso acreditar que tivesse mais dotes que os físicos. I'm a believer :)

    The last but not the least, a questão da meia idade. Penso exactamente como tu! E por isso o escrevi o post linkado como resposta,a um comentário -inocente, até sobre o tema...

    Beijinho desarrepiado (já como o AO)!

    ResponderEliminar
  11. O Brian de Palma é um subproduto do Hitchcock, verdade. Mas também é um grande realizador por direito próprio, principalmente quando não escreve os seus argumentos. Basta ver Scarface.

    Quanto à Bo, tenho cá a impressão que quando morrer nem toda ela vai ser biodegradável.... lol

    O filme 10 só o vi há uns meses pela primeira vez. É engraçadote. O Blake Edwards tem os seus momentos...

    ResponderEliminar
  12. Todo o texto é adorável.
    mas não terás mais 10 anos do que eu...LOL...
    Isso da idade...é geral...deixa lá, não desanimes!

    BShell

    ResponderEliminar
  13. Daniel,
    Sim, tens toda a razão, estava a ser injusto. De repente lembrei-me de Carrie (velhimho, mas muito bom), os Intocáveis, e claro Scarface, entre muitos outros. Os Olhos da serpente e a Fogueira das Vaidades também...E Femme Fatal. Bem é melhor parar..

    Obrigado pela tua nota!

    ResponderEliminar
  14. BlueSheel,
    Who knows? Somedays, yes, some other days, no..Who cares?
    Obrigado pela visita! E não faças mal ao canito.

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio