quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Arquitetos e arquitetas

Depois da modesta, mas clara e concisa, explicação sobre tetos e tetas, eis que julgo haver necessidade de clarificar outros dois conceitos relacionados: O de arquiteto e de arquiteta, que de forma alguma se podem confundir como as parónimas, Arquitecto e Arquitecta. E quem disser que são homófonas, fica já excluído da guest list cá da casinha….

Sabendo que o prefixo “arqui” é um aumentativo, a explicação é simples e o significado fica ao alcance de todos…Uma arquiteta é uma teta muito grande, quiçá como tem acontecido na nossa república de Los Plátanos, para muitos filhos queridos. Arquiteto, como o nome indica, é um teto de grande amplitude, como tento mostrar na frase seguinte: “O teto salarial dos operadores de caixa das grandes superfícies é pequeno, contrariamente ao arquiteto salarial dos gestores de empresas públicas…”.

Poderá surgir a dúvida na utilização da palavra Arquitecto, que designa a profissão de alguém que exerce arquitectura (a organização do espaço e a definição das formas), ou dos seus derivados, e o neologismo arquiteto. Para que não restem quaisquer dúvidas depois da explicação anterior, aqui vai um exemplo para ilustrar a diferença de significado: “O arquiteto salarial das empresas públicas de transporte foi arquitectado por alguém que não teve em conta os interesses do comum dos cidadãos e do estado, mas apenas o bem-estar e o conforto material dos trabalhadores dessas empresas” Esta citação foi retirada de um trabalho académico do reputado (para alguém que chegue até aqui por engano, tenho que dizer que reputado não é aquele que anda com putas, mas o que tem reputação) investigador da Universidade do Allgarve, o Ti António de Olhão, da Armona e do Farol, na sua dissertação de Mestrado em Vela de Cruzeiro, com o sugestivo título: Lusitânia Perdida: vê-la a dormir ou à vela?”.

10 comentários:

  1. Não quero é que me caia aquiteto:)

    Não tenho paciência...lol

    ResponderEliminar
  2. Que tão bem arquitectado texto, com a explicação mais que clara da diferenças entre os dois termos, tio. Temos tanta sorte que partilhes a tua douta sabedoria, :)) Olha, eu cá, para usar outro exemplo, estou farta de ver sempre os mesmos aquitetar (vulgo mamar muito!) Sim, esses com o arquiteto salarial que nunca desce, pelo contrário... enquanto eu não tenho dinheiro nem para arranjar o tecto (sim, esse mesmo em cima da cabeça que está a descascar no wc!)Beijo

    ResponderEliminar
  3. M.,
    Os falsos costumam ser mais frágeis. Cuidado ;)

    ResponderEliminar
  4. Eva,
    Não tecto que resista, contrariamente aos arquitetas, que não lhes falta gente a mamar.

    A tendência será para secarem e ficarem como os tectos...
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Tio do Algarve no seu melhor! ahahahah

    ResponderEliminar
  6. Passei pra conhecer, e achei bem interessante seu post. Fico e sigo também.Um excelente resto de semana cheio de coisas boas. Bjs grande!

    ResponderEliminar
  7. Smareis,
    Obrigado pela visita. Boas viagens cá na casinha e...volte sempre!
    bjs

    ResponderEliminar
  8. Estou a começar a ficar preocupada...
    Digo isto por ter lido a frase «E quem disser que são homófonas, fica já excluído da guest list cá da casinha….»

    Correndo o risco de exclusão queria contar-te uma coisa.
    O que se passa é que apesar de ser contra este descabido acordo ortográfico, entendo que não podemos "remar contra a maré" e virar as costas às novidades linguísticas que nos são impostas, sob pena de a breve prazo escrevermos um português arcaico por estar fora de prazo.
    (sei que com os iogurtes o problema é mais grave.... mas adiante)

    Lembro-me a propósito, do esforço que no passado os nossos progenitores e antepassados mais próximos tiveram de fazer para se adaptarem a outras modificações que a língua [a portuguesa, bem entendido] já tem sofrido, nomeadamente fazendo desaparecer acentos tornando a escrita mais leve.

    Estou agora aqui com um livro de História e Geografia que pertenceu ao meu pai (da série escolar Figueirinhas) onde posso encontrar exemplos que à vista já fazem alguma impressão, tais como:
    - Pôrto; êste; êsse; govêrno (ainda se usava o acento circunflexo)
    - Vila-Nova-de-Gaia; Trás-os-Montes (o hífen de ligação agora parece-nos absurdo)
    - mãi; Guimarãis; Magalhãis (hehehe... esta então é mesmo difícil de digerir!)

    Bom, não são precisos mais exemplos, acho que já entendeste o meu ponto de vista.


    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  9. Orquídea Selvagem,
    Aqui ninguém é excluido...Às vezes dá-me para o lado dramático.

    Percebo o que me dizes. O acordo é de 1990 :( Não sou especialista na matéria, mas acredito que as anteriores revisões da língua escrita foram para acompanhar a falada, que evolui mais rapidamente. Nessa altura a grafia estva claramente desactualizada e por isso foi simplificada. Penso que este não é o caso. Administrativamente querem por-nos a escrever igual ao resto do mundo lusófono. E parace que vão conseguir! Por favor não me olhes como um "Velho do Restelo" da Língua Portuguesa. Quantas assinaturas houve contra este acordo? Não serviram porque eram digitais...
    Beijinhos!

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio