quarta-feira, 30 de março de 2011

Peixe, carne e a meia idade.

Sem querer transformar o blog num dilog, tenho que responder a esta questão da meia-idade. Dizem que os homens ainda são mais sensíveis a estas questões da idade do que as mulheres. Custa-me a crer, mas talvez seja verdade, pelo menos a avaliar pela rapidez da minha resposta. Menos de três dias, um record!

Em rigor, não foi a questão da MEIA-idade, critério que até acho justo. Sinto-me a meio, equidistante do princípio e do fim. A definição de meia-idade mais original que conheço, e que vou citar, também não se aplica a mim, porque não comecei a andar com miúdas com metade da minha idade, nem espero que tal venha a suceder. Aqui vai a definição, com o respectivo link:

Que a meia-idade nos homens não corresponde à metade cronológica da nossa vida mas sim à altura em que começamos a andar com gajas que têm metade da nossa idade.

O que me tirou do sério foi a da carne e do peixe: Não somos carne nem peixe? Pelo contrário, na minha idade, que penso que será próxima da tua (enfim, certamente tenho mais uns 10 anos e 100.000 Km, mas tudo bem), somos carne e somos peixe, com a única diferença que o somos quando queremos e não quando ou outros querem.

Também saboreamos muito melhor as iguarias, sejam elas de carne ou peixe, nunca nos sentamos à mesa para comer à pressa, pelo contrário, comemos tranquilamente e fazemos uma dieta equilibrada. Também não entramos nessa onda de produtos substitutos e recusamos, liminarmente, pratos requentados, mal cozinhados. Mas também não desdenhamos uma refeição frugal, ou rápida, aquecida no micro-ondas e às vezes comida de pé, na varanda ou noutro local inusitado, se nos apetecer…

Somos capazes de jejuar, rigorosamente, durante um ou mais dias e quando nos sentamos à mesa, não devoramos a comida, saboreamos com toda a calma, sem nenhuma pressa. Não comemos a sobremesa antes da entrada e do prato principal nem olhamos para ela com olhar guloso, enquanto degustamos ou preparamos para degustar o prato principal.

Ainda apreciamos um prato bem condimentado, bem apresentado e, muito importante, sabemos estar à mesa, o tempo que for preciso, usando todos os talheres…

Acho que já disse quase tudo sobre a carne e o peixe. Falta-me descrever alguns pratos, ou partilhar receitas mas isso fica para outra altura…Sinto-me bem no meu laboratório culinário e no meu restaurante!

14 comentários:

  1. Depois disto tudo, que me resta dizer? I take it back, pronto! Concordo contigo, nesta idade somos carne e peixe, pelos motivos tão eloquentemente invocados! :) beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Eva,
    Se fosses peixe eras uma dourada :)
    Mas das verdadeiras, não de aviário!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Presumo que devo estar por aí, mas francamente, por motivos alheios à minha vontade, tenho a responsabilidade de estar a criar um neto que nasceu no tempo em que eu ainda podia ser mãe e como ainda me sinto nesse papel, psicologicamente, nem me sinto na meia idade.
    Mas reconheço esses sintomas, as prioridades mudarem e, agora, saber saborear, muito melhor, aquilo que, antigamente, eram só pormenores e a que não dava o devido valor.
    Por exemplo, o pequeno almoço é para comer sentada, em casa, com calma, e não é engolir qualquer coisa à pressa num balcão de uma pastelaria.
    Na verdade, mesmo que pudesse escolher, escolheria a idade que tenho porque, não há nada melhor que viver o tempo... sem pressas de o gastar e saber preencher o tempo com muitas pequenas grandes coisas.
    E se me apetecer fazer pão, em vez de o comprar na loja da esquina, faço-o pela simples razão, do prazer que me dá ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  4. Eu sinceramente estou-me a borrifar para a idade (física). Comporto-me conforme me sinto e não conforme a escala etária indica. E não me conseguirão demover desta forma de ser...

    ResponderEliminar
  5. Isa,
    Temos a idade que queremos e que gostamos de ter!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Rafeiro,
    Me too!!!! E como preciso de muita luz para ler os números do cartão do cidadão, melhor!

    ResponderEliminar
  7. Dourada, eu? rrsss. Neese caso, devias ser desta espécie (consta que não têm olhos na cara, rrrsss!!) Como nasci e fui criada nestas bandas, que eu saiba não há douradas no rio ave... embora aqui há uns anos, se poderia encontrar espuma dourada a flutuar no rio, mas esse tempo já lá vai... Bjo

    ResponderEliminar
  8. Eva,
    Estás a chamar-me ceguinho ou a dizer que tenho a pele muito branquinha?
    ;)

    ResponderEliminar
  9. lol Bom complemento...

    A melhor receita que já li.

    Vou esperar um pouco para experimentar:) à minha maneira...

    ResponderEliminar
  10. M.,
    Experimenta, sem pressa. Com todo o tempo do mundo.
    ;)

    ResponderEliminar
  11. Devo dizer que adorei este post!
    Está sabiamente bem elaborado de tal maneira que chega a confundir o leitor por não conseguir definir onde começa e onde termina cada metáfora.

    E de tanto se falar em comer, abriu-me o apetite para um snack antes de ir dormir :)


    Beijinhos tardios... :)

    ResponderEliminar
  12. Orquídea,
    Obrigado por teres seguido o link e por este comentário.
    Espero que o snack te tenha sabido bem!!!
    Beijinhos matutinos

    ResponderEliminar
  13. Em crisezinha??? também eu. Vou voltar ao Post inicial....

    ResponderEliminar
  14. BlueShell,
    Não é bem em crise...Acho que sei viver com a minha idade ;)
    Obrigado pela visita. Não me esqueci dos Pastéis do Patronato. Também não são peixe nem carne e são muito bons..
    E obrigado pela visita.

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio