segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Serial Killer à Portuguesa


 
Depois da alucinante enchente de notícias sobre o Portuguese Serial Killer, de repente veio um balde de água fria. Afinal era uma brincadeira? Enquanto os media incansavelmente entrevistavam reputados especialistas em psicologia criminal, a TVI já imaginava o 356º (será o tricentésimo, quinquagésimo sexto?) episódio de Criminal Minds à Portuguesa, e um reality show só com criminosos potenciais, o Correio da Manhã já preparava uma edição especial e oo país, com as notícias das Caxinas, já tinha esquecido o subsídio de Natal, eis que caiu a bomba.

Caíram por terra os sonhos de muitos aspirantes a agente especial Jason Gideon ou Dr. Spencer Reid ou ainda  a Hotchner. Outros que aspiravam a ser Dereks Morgan e mesmo elas, que se viam como a Elle Greenway, Jennifer Jareau ou Penelope Garcia, bem podem ficar agarrados aos PCs, ou aos monitores de televisão. Não temos Serial Killer, para já. E não porque a comunidade europeia tenha proibido, ou por causa do deficit, ou porque o Tozé, o Jerónimo, a Ana, o Xico ou outro qualquer político não comprometido actualmente na desgovernação, tenha querido chamar os portugueses para a realidade em vez de os deixar percorrer os corredores da imaginação, em busca do porquê de tais actos…

Sem Serial Killer, Portugal tem sim, um sério caso de Cereal Killers, síndroma muito comum, que faz com que entre duas colheres de Cerelac, ou de Pensal, qualquer cidadão, faça os possíveis e impossíveis para chamar as atenções. Esta patologia é muito frequente naqueles que supostamente governam dos destinos do país, e é independente da viatura em que se deslocam. Pode ser uma vespa ou um automóvel de 87.000 euros, o que importa é chamar a atenção.

Uma outra explicação, para este repentino aparecimento de serial killers, prende-se com a utilização de centeio, com determinados fungos, no fabrico de confetis. Nas brincadeiras de Carnaval, por acidente, alguns destes confetis entram em contacto com as mucosas da boca dos foliões e o aparentemente inofensivo fungo provoca alucinações sérias na cabecinha da rapaziada.

Como diziam os anarcas: À portuguesa, só cozido! Eles é que sabiam.

14 comentários:

  1. Meu amigo...:)))

    Agora toca a procurar outra notícia suficientemente excitante, escandalosa e arrepiante para entreter a rapaziada, pois afinal de contas até não temos nada para fazer ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Não temos serial killers mas em compensação não faltam por aí serial parvos... Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Bhaa, o tal cerial não é nada.
    O que me fez arrepiar foi aquela menção ao cozido. Isso sim, põe-me a tremer...

    ResponderEliminar
  4. Fê,
    É mesmo para entreter. Agora não se ficam só com o futebol (apesar de ser em doses maciças) e o festival da canção.
    Bjs!

    ResponderEliminar
  5. Rafeiro,
    E nesse capítulo dos serial parvos, damos cartas!
    Abraço

    ResponderEliminar
  6. FMF,
    Do cozido agora só temos mesmo o nome, até a água é capaz de vir de fora...

    ResponderEliminar
  7. Ok... desta vez passaste-te mesmo!!
    Esta tua crónica está demais!

    Mas olha que eu fiquei completamente à margem dessa novela mexicana que envolve serial killers.
    Quando nas notícias começavam a falar no assunto eu mudava logo para outro canal. É que há notícias que não interessam mesmo nada!

    Quanto ao cozido... enquanto houver porcos no Alentejo (e não só) estamos safos!!

    Não suporto a ideia de viver em Anarquia... mas curiosamente tenho em meu poder um livrinho muito interessante editado em outubro de 1975 de nome «O livrinho vermelho do Galo de Barcelos». Uma verdadeira relíquia dos conturbados tempos do pós 25 de abril. Conheces?

    Beijinhos enfeitados com cravos vermelhos :)

    ResponderEliminar
  8. O gajo afogou o cão na banheira de casa. Seja ou não o estripador, só por isso já merece ser bem enrabado na prisão.

    ResponderEliminar
  9. Recuso-me a ver/ler notícias. Sou "news" auto-excluída. A sério, nada me cativa nos telejornais, após um fim-de-semana a ler/ver/ouvir sobre mortes atrás de mortes. Até me esqueci que o meu Benfica ganhou, porra. só soube no dia seguinte!

    ResponderEliminar
  10. Orquídea,
    Acompanhei mal o caso, mas o que vi deu para isto...Não tenho essa preciosidade :-(

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Julie,
    Já deve ter sido...Li não sei onde que tinha sido maltratado na prisão.

    ResponderEliminar
  12. Pseudo,
    Isso do teu Benfica não tem mal. Deixa lá ;-)

    ResponderEliminar
  13. Eu é mais "cozido killer" ou "bife killer"!!! ;)

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio