sábado, 26 de março de 2011

Decorador de Exteriores ou Engenheiro de Ambientes

Ainda sobre a questão das vocações, um comentário da M. no meu último, aliás penúltimo, post leva-me a reflectir sobre uma das minhas profissões. É uma profissão de fé, um pouco diferente de outras, na medida em que há um compromisso, um acreditar em algo tão diáfano como a felicidade dos outros, tão efémero como um fim-de-semana ou tão prolongado como duas semanas…E sentimo-nos bem por termos contribuído para alegrar um pouco a vida dos outros.
Não me refiro à minha recente vocação de Socialitólogo, mas sim a uma actividade profissional a que, há muito tempo, já aqui me referi, até com descrição do perfil profissional.

Num passado muito mais remoto, a rapaziada de Civil, sempre no gozo, referia-se aos Arquitectos, como os tipos que não eram suficientemente homens para estarem em Engenharia, nem suficientemente femininos para serem decoradoras. Atravessei este modo de ver o mundo transversal e rapidamente. Essa imagem desapareceu desses cursos. A engenharia ficou cheia de miúdas (que pena ser só agora) e os homens abundam na decoração… Depois vi surgir, um pouco por todo o lado, os cursos ligados à comunicação e publicidade, alguns com o pomposo nome de Engenharia Publicitária. Não me incomodaram nada, até achei original. Porque não Engenharia? Também se fala muito em Engenharia Financeira e o Tio acabou por conhecer de perto a cosmética e também a maquilhagem, no que refere a Balanços e Demonstrações de Resultados. E acabou por se envolver na Dermocosmética…

Mais tarde percebi que o sucesso da minha actividade se prende com as emoções…E fiquei na dúvida se seria um gestor de emoções mas, como desempenho funções no palco, em frente aos clientes, percebi que era um actor e simultaneamente o autor da peça, se bem que às vezes tenha que representar peças de outros. A tal vertente Todo-o-Terreno, a funcionar em pleno. Como trabalho no turismo, posso dizer que trabalho onde os outros se divertem, e como levo a luz e alegria a muitas vidas e famílias, a minha profissão tem muitas semelhanças com a ginecologia e obstetrícia. Não posso ser visto a tomar um gin tónico com clientes. Desconfiam logo!

Até que surgiu a ideia dos quadros a tapar buracos, que resume de forma sintética, mas completamente abrangente o que vou fazendo nas várias ocupações profissionais, onde vou gastando ou o meu tempo ou o dos outros. Buracos nos Balanços, nas vidas das pessoas, no conhecimento dos alunos, nas referências, etc. Socializo para melhorar ambientes, convivo para animar, enfim um pouco como imagino um acompanhante, quase de luxo.

Cheguei ao fim do ciclo, mas desta vez com as novas oportunidades não posso dizer que penduro quadros, para tapar buracos. Nem sequer os quadros interactivos que enchem as salas de aula onde os alunos não querem estar. Com as novas oportunidades posso finalmente escolher uma carreira. Vou fazer um trabalho sobre a minha vida e dão-me equivalência à Licenciatura em Decoração de Exteriores. Faço mais duas UFDC (para quem teve paciência de chegar até aqui e não sabe o que significa esta sigla, esclareço que são Unidades Formação de Curta Duração) e faço o mestrado em Engenharia de Ambientes.

Tem as paredes, os buracos, o meio envolvente, o ambiente e a escolha dos quadros e, com jeito, ainda se faz um projecto para uma casinha numa reserva agrícola ou ecológica, licenciada por um primo amigo do ambiente. Familiar, claro.

14 comentários:

  1. O que eu te inspiro:)

    Tapas os buracos. Alguns não de forma permanente....Não convem:)

    ResponderEliminar
  2. Gosto quando divagas assim com a verdade, :)Gostei dessa imagem de animador de clientes... que és de facto. Se eu te visse de gin tónico na mão, desconfiava logo de facto... desconiava que era para mim!! :))))Have a nice weekend! Beijo

    ResponderEliminar
  3. Ai os engenheiros...os engenheiros...e os arquitetos! Do que me foste lembrar!
    Numa conferência o Carrilho da Graça dizia que a arquitectura não era uma arte. Era algo diferente. De certa forma não a queria enquadrar nas artes plásticas, pois achava que "arte" qualquer uma fazia..
    Já nem sei quem é pior! se são os engenheiros ou os arquitetos! :))
    Belo texto!

    ResponderEliminar
  4. M.,
    É mesmo :)
    O ideal é tapar, destapar, tapar, destapar. No governo é que há um que nem o melhor decorador o tapa ;)

    ResponderEliminar
  5. Eva,
    Também pensei em arrumador de almas, mas poderia ser mal interpretado. Quanto ao Gin, estás sempre convidada...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. May,
    No meu tempo de faculdade havia uma espécie de guerrilha tonta com essas duas profissões complementares. Saiba cada um qual é o seu espaço e não há qualquer conflito...
    Bejinho
    :))

    ResponderEliminar
  7. Infelizmente agora ainda existe. E o problema é que são muitos dos próprios professores a incitar isso...Vá-se lá perceber...:)

    ResponderEliminar
  8. Que imaginação e que excelente escolha de vocação, até eu vou pensar seriamente em lhe fazer concorrência, afinal a vida está má para todos, e uma boa ideia não é para desperdiçar :D

    Bjos

    ResponderEliminar
  9. Pois o meu curso deve ficar entre o dos Arquitectos e o dos Engenheiros e, na altura que o tirei, a grande maioria nem sabia o que isso era... Design de Equipamento um bocadinho de arquitectura, engenharia e decoração... quase um curso de retalhista lol

    Agora Tiozinho, francamente,... aquela de, no post anterior, ter oferecido à Eva o lugar de Secretária de Estado dos botões e comandos... ai ai ai, então o Tio não sabe que a moda é arranjar posts para a família? e aqui a sobrinha?
    Ou... vou ter que tirar meia dúzia de UFDC para apanhar o tacho?
    Se for por fax... ainda vá que não vá lol

    Bjos

    ResponderEliminar
  10. May,
    Tens toda a razão... E eu assisti a isso :)

    ResponderEliminar
  11. Fê,
    Bem vinda a esta porfissão fruto das novas "apertunidades"
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Isa,
    Tinha mensado no Ministério da Indepêndencia Intelectual e da Crítica Dessasombrada, para si!
    Mas também lhe ficava bem uma Secretaria de Estado da Defesa da Culinária Autêntica, se não quiser ter tanto protagonismo. Diga-me o que prefere...
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Pensando, maduramente, sobre o assunto lol isso de Secretária... é um pouco mixuruca... como sou sobrinha, não posso ser pobre a pedir, portanto:
    Peço para ser Gestora de uma Fundação ou Instituto (nisso não sou esquisita)... da Defesa da Culinária Autêntica :)))

    Bjos

    ResponderEliminar
  14. Isa,
    Tem toda a razão. Como Ministra estaria muito exposta, sujeita ao plebiscito popular...Secretaria de Estado é pequena para si! O ideal era mesmo o Instituto de Defesa da Culináira Autêntica, que pode acumular com a Fundação para a Conservação do Património Cozinhado Português. Quanto a ordenados estão ao nível da Fundação de Guimarães. Sei que é pouco, mas não se esqueça que pode acumular!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio