terça-feira, 6 de abril de 2010

Magalhães ao fundo

Com a ironia fina a que nos vem habituado a Inteligenzia deste local a quem já chamaram país, decidiram batizar (misto de morcego com cerimónia religiosa, caldeada com a cor do Horto Gráfico) com o nome do navegador da circum-navegação este filho da loucura colectiva: Um computador pretensamente original e democrático e cujo nome não quero dizer.

Agora que o dito cujo, filho dessa relação mais que duvidosa, vai outra vez à casa das irmãs da sua mãe para mais uma comissão parlamentar, vêm os submarinos à tona. Pelo menos já se vê o periscópio à superfície...

Com a rapidez e eficiência que se conhece aos nossos trabalhos deste tipo, prevejo que o caso estará esclarecido quando os netos dos primeiros utilizadores dessa fantástica peça da indústria informática de cor azul, descobrirem quem foi o navegador em cujo nome se inspirou o padrinho...Nessa altura já terá tudo ido pelo Cano.

3 comentários:

  1. Ou estar-se-à a vê-lo por um canudo, nunca se sabe!
    Abracinho

    ResponderEliminar
  2. Estou a ver que já "adotou" o "novo" Português, Tio! Isto de ser um estrangeirado tem as suas vantagens, uma delas sendo a de poder negligenciar as aCtuais regras de escrita. Se alguma vez me perguntarem porque escrevo deste modo tão arcaico, com "pês" e "cês" antes dos "tês", responderei, como o velho sábio: "Quando eu era novo..."

    ResponderEliminar
  3. Maria Teresa,
    Deixam-nos a ver tudo por um canudo...Ou fica tudo em águas de bacalhau!!!

    J,
    Ainda não "adotei", não! Que nada, seu Tio não está querendo adotar, nadica di nada...

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio