sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O sindroma da jibóia adolescente

Nunca gostei de répteis e particularmente de cobras, mas também nunca me perguntei porquê...Terá alguma a ver com a história do Adão e da Eva? De certeza que não, porque o mundo antes da famosa tentação é muito menos interessante que depois dela...

A jibóia é uma cobra de grande porte, não venenosa que mata as suas presas por asfixia, engolindo-as com alguma facilidade, graças à sua boca que se dilata e aos dentes serrilhados que facilitam o processo de engolir as presas que normalmente são de pequenos roedores. A digestão é lenta e a cobra (serpente tem algo de erótico e sensual, nota que não queria introduzir neste texto...), fica imóvel enquanto a dura a digestão. Fica fragilizada durante este período de tempo que pode durar semanas...

A adolescência é um período da vida entre a infância e a idade adulta (?) caracterizado por alguma agitação, para além de todas as mudanças físicas próprias dessa fase, por onde quase todos os adultos passaram... A irreverência, a dificuldade de medir o risco, a aparente falta de equilíbrio nas decisões (olha para ele a falar...), a mudança de referenciais, a emotividade descontrolada, as hormonas aos saltos, uma séria vontade de fazer asneiras, a vontade de transgredir (esta parte conheço bem), a descoberta, a energia são características comuns que todos conhecemos.

A jibóia, escolhe presas que possa engolir e se se der o caso de engolir uma da maior dimensão, maior é o tempo que fica nessa letargia digestiva. Quando, nesse processo digestivo, tenta engolir outra presa, fá-lo (com hífen e acento), numa posição de fragilidade. E quanto maior for a “vítima, menor será a probabilidade de sucesso! Mais difícil será conseguir engolir a segunda presa e torna-se uma presa fácil. De caçador passa a caçado...

Nas empresas também é assim...Um takeover, hostil ou não. A vítima ainda não está integrada, e já se pensa noutra...A empresa comprada serve de alimento, antes da digestão estar feita... e a compradora já pensa numa outra vítima. Ataca, mas está numa posição de fraqueza. Precipitou-se, menosprezou os efeitos da digestão em curso. Faltou o tempo de repouso...E agora?

Comportamento irreflectido, excesso de testosterona, uma séria vontade de fazer asneiras, ou simplesmente de dar nas vistas?

Identificada a sintomatologia e registada a patologia, este comportamento fica já denominado “sindroma da jibóia adolescente”.

Aceitam-se contribuições científicas que visem documentar melhor estas situações que afectam o tecido empresarial e, sobretudo, as fibras desses tecidos, levando-as a conhecidos estados de stress.

5 comentários:

  1. Ainda pensei, pelo título, que o post era sobre mim, rrrrrssssss. Agora a sério, imagino que será verdade o que dizes, deve haver sempre um maior tempo de recuperação da empresa, antes de se lançar em novos võos. Por vezes, a megalomania empresarial, leva a desfechos inesperados(e indesejados)...esta para te diminuir o stress, não foi grande coisa, sorry. Hang in there! Big kiss

    ResponderEliminar
  2. Eva,
    It crossed my mind...But...

    E agradeço a tua solidariedade :-))
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. rrrsss. então isso diz-se? It crossed my mind???? A parte da jiboia??? (era a isso que eu me estava a referir, rrrssss)Only kidding... you OBVIOUSLY meant the other part of my comment :)

    ResponderEliminar
  4. Irra! Estou toda engelhadinha! Ofídeos nem empalhados... fiquei de tal modo traumatizada, que não quero saber de empresas para nada...Só penso em ji traz-me uma bóia.
    Abracinho

    PS- Excelente paralelismo mesmo para quem não percebe nada de empresas.

    ResponderEliminar
  5. Eva,
    Claro que sim, foi a parte da Eva e do mundo ser mais interessante, after...
    ;-)
    Beijinhos

    Maria Teresa
    Ji, e que a bóia tenha uma sobremesa doce (ler com sotaque brasileiro..)
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio