domingo, 10 de maio de 2009

Cavalos, Galinhas, Porcos, Dragões e Passarões

Depois dos vírus ditos dos nuestros hermanos terem levado a sua “influenza” para todo o mundo, no final da primeira guerra mundial, houve outras epidemias ao longo da história. A de 1918 foi das mais graves de sempre (julga o Tio, que não fez grande pesquisa), mas tenho algumas dúvidas sobre a comparação, em termos relativos, com os mortos atribuídos à Peste Negra, no século XIV. A gripe asiática, no final da década de 50 e a de Hong-Kong apesar de consideradas pandemias foram, felizmente, muito menos mortíferas.

O maior conhecimento da doença, o desenvolvimento dos fármacos, o incomparável estádio de desenvolvimento da sociedade no que respeita a hábitos de higiene e consciência social, por certo contribuíram para isso.

Imaginemo-nos a explicar há 100 anos atrás, a diferença entre as várias estirpes do vírus e as suas mutações. Certamente que os nossos interlocutores, nos indicariam o Rilhafoles como o local ideal para o tratamento preventivo, não dos doentes, mas nosso.

Não é a doença infecto-contagiosa de origem viral e bastante contagiosa que está em causa. Também não é o risco da Pandemia. As notícias alarmistas que vão surgindo um pouco por todos os meios de comunicação mas sobretudo pela nossa querida TV é que preocupam o Tio. Estamos numa Panhisteria e por favor não confundam com as lojas espanholas de venda de pão.

Será possível comparar o ambiente das trincheiras da primeira guerra mundial, com o que se vive agora? Será necessário que a opinião pública esgote o medicamento de nome “Toma-o tú” das farmácias, que parece não ser garantidamente eficiente neste caso?

Os nossos queridos governantes, e até os alarmistas do costume, apressaram-se a dizer que esta estirpe não era tão perigosa como a H5N1, que não havia porcos doentes, que era um exagero e que as novas autoridades da saúde já tinham tomado as precauções possíveis e necessárias. Já tinham definido todos os planos necessários ao combate dessa eventual pandemia. Também já tinham planos de contingência...

Esqueceram-se, nessa fase inicial, dum aspecto muito importante. Felizmente já despertaram. Estas notícias vendem jornais, vendem medicamentos, fazem mais pessoas ir aos hospitais e muita gente ganhar dinheiro. Mas, na opinião do Tio, há mais qualquer coisa a considerar: Enquanto se espalham estas notícias fantásticas, não se fala de outros assuntos, esquece-se a realidade e mostra-se a eficiência do governo a lidar com situações que a opinião pública conhece profundamente (esta foi forte...), e acha que são verdadeiras calamidades.

Acho que fui mordido pela víbora com o vírus da ironia, nestas férias.

E assim o nosso vírus (este meu ódio de estimação à demagogia será de origem viral?), dos cavalinhos, passou para os passarinhos, e agora para os porquinhos. Pelo meio ainda tivemos a ameaça das vacas loucas, sem ser em forma de vírus...

Com estas notícias alarmantes e alarmistas perderam-se muitas pequenas empresas e outras floresceram, meteoricamente.

Hoje perguntaram-me se não acreditava que estávamos todos em risco nível 4 ou 5 (nem sei). Claro que acredito. Se o famoso presidente clube dos dragões disse que desde que viu um porco a andar de bicicleta acreditava em tudo, eu também acredito. Se ele viu, é verdade. Eu vi vários porcos a andarem de avião. Não vi nenhum com máscara e cachecol, mas se me disserem que usam eu acredito.

Até acredito em passarões, tipo abutre à espera da morte da inteligência, do livre pensamento e do bom senso, para nos roerem os ossinhos devidamente esburgados da carninha, entretanto devorada. Aí já há não gripe nenhuma. Parece até que, agora, as vacinas para a outra estirpe, que não davam grande efeito nas outras, afinal até aumentam as resistências dos indivíduos. Talvez seja verdade. Esta habilidade de dizer a verdade como quem mente e de mentir como quem diz a mais pura das verdades, deixa qualquer um confuso.

Uma pergunta maliciosa, de quem é leigo nestes assuntos:
Não seria bom, uma nova campanha de vacinação nacional ou, melhor ainda mundial para esta estirpe, sobretudo agora que se prevê que volte em Outubro? Milagrosamente, a vacina para esta estirpe vai estar pronta no Verão e disponível para o mercado... Mesmo a tempo!
Nada que se compare à famosa fábrica das vacinas, prometida há três anos, por três ministros e que iria cobrir 63,25% das necessidades nacionais de vacinas? (os 0,25% a mais são do Titi, para dar uma imagem de credibilidade)

Concluindo: Mesmo agora que esta onda de perigo já está mais calma, nas viagens à Riviera Maya nada de beijinhos nas cidadãs locais, com tosse. E um bocadinho de criatividade nunca fez mal a ninguém...

Cuidadinho é com os perdigotos e já agora com os perdigões, abutres e outros passarões...
E Migalhões, claro.

3 comentários:

  1. Caro Tio (sem tios)

    Devo confessar que gosto de ler as suas dissertações sobre problemas da actualidade, neste caso em que a sua atenção se prende na ex-gripe suína ( de curta duração, não fosse o consumo da carne de porco baixar desastrosamente), actual gripe do tipo A (H1N1) e num tom bastante irónico mas pragmático, atinge o centro do alvo, na "mouche" como diria mon ami Jean Claude. Há muitos interesses políticos, económicos, sociais, ... aproveitando-se de acontecimentos, que de um modo ou de outro podem provocar um certo desequilíbrio social, saindo incólumes e triunfantes (???).
    Tem toda a razão!

    Talvez por os vírus sejam conhecidos há, relativamente, pouco tempo, menos de 100 anos, a comunidade científica ainda não chegou a acordo, se eles devem ser considerados como seres vivos ou não. A sua origem não é inteiramente clara.

    Sabe-se para além do que citou e muito bem que os vírus:
    - não são constituídos por células, embora dependam delas para a sua multiplicação (replicação)
    - não tendo estrutura celular, são normalmente tão pequenos que atravessam os poros dos filtros.
    - são partículas basicamente proteicas que podem infectar organismos vivos.
    - são parasitas intracelulares o que significa que eles somente se replicam pela invasão e possessão dos mecanismos de auto-reprodução celular. Devido a esta invasão das células do hospedeiro, tornam-se difíceis de matar.
    -" atacam forte" mas são frágeis.

    As mais eficientes soluções médicas para as doenças virais são, até agora, as vacinas para prevenir as infecções, e os medicamentos que tratam os sintomas das infecções virais.

    Com este seu texto fez-me recordar um livro científico, que li há muito e que ainda existe mas na minha casa de Lisboa, sobre vírus: " Os vírus no limiar da vida". Foi o meu primeiro contacto com este assunto que muito me apaixona, tenho que o reler.

    Os objectivos do seu blogue, não sei se tem consciência disso, têm uma imensa polivalência (pelo menos para mim)
    MT

    ResponderEliminar
  2. MT,
    Os seus comments são autênticas lições...que gosto de ler!
    Tento ser abrangente de uma forma divertida, utilizando a ironia que nem sempre se pode no "thirdlive". Ainda bem que gosta!
    Mas cuidado, porque ainda não conhece as viagens todas, cá de casa... ;)
    E algumas são mais condimentadas (para que a carne não se estrague). LOL

    ResponderEliminar
  3. Com condimento ou sem condimento, este lugar é seu! Naturalmente que escreverá o que lhe aprazar.
    E eu cá estarei, se não estiver viajando por esse mundo, que me aguarda e me chama todos os dias, para opinar e talvez seja altura de eu dizer: cuidado pode ser surpreendido

    Vovó Tê-Tê

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio