sexta-feira, 3 de julho de 2015

Gramas ataca de novo



Depois de uns tempos de defeso, pensava eu que seria por decoro, afinal o Gramas acabou o período de hibernação. Como outo caso parecido de estudante esforçado voltou à ribalta com um livro: “A insustentável leveza da governação”. E que me desculpe o Kundera, mas não resisti a este título fantástico e tão perfeitamente adaptado à situação. Aguarda-se agora a réplica do colega de faculdade, com “Um dia na Vida de Ivan Socretinius”, relatando na primeira pessoa a história do conhecido preso político, deportado para as longínquas estepes do Alentejo.

Em rigor não se pode dizer que o Gramas tenha feito a travessia do deserto, como também o Socretinius não fez. Uma cura de Termas, também não, retiro espiritual ainda menos. Terá sido um período de nojo? Também não parece… Inclino-me mais para a tese do recarregar baterias, mas vir com a força máxima. No caso do preso político, as pilhas dão sempre jeito…

O que se pode dizer e com toda a certeza é que havia muita gente com saudades do Gramas, a avaliar pela fila desorganizada que se fez para pedir um autógrafo ao rapaz. Até o primo banqueiro do banqueiro lá foi ao beija-mão, com direito a tempo de antena SIC Notícias. E, tenho que dizer em abono da verdade, se os jornalistas, locutores e outras entidades ligadas à caixa mágica (não me refiro ao abençoado Linux!), têm direito a tempo de antena, quando lançam os seus livros, e o Sol quando nasce é para todos, então porque não pode ter o nosso Miguel Gramas os mesmos privilégios? E assim até pode mostrar ao Big MAC que é um tipo às direitas, tirando a questão do curso, claro…

Ele é um Entrecôte, o outro é carne picada! Mas as vaquinhas comem a ervinha e levam muito tempo a digerir… Veremos como acaba esta guerra fratricida. Enquanto isso eu vou tratar do jantar na Brasserie do dito cujo, publicidade à parte.

2 comentários:


  1. Bolas... quem atacou de novo e em força foste tu!
    Isto são posts que nunca mais acaba... nunca mais vejo o fundo do poço... hehehehe
    (que, traduzindo, é o mesmo que dizer, nunca mais encontro o último post teu que eu comentei - shame on me)

    Tenho de te confessar que li mais de metade do post sem saber afinal quem era o Gramas... eu aqui já a imaginar alguém gordinho e anafadinho mas, não estava a ver quem é que estava de regresso às luzes da ribalta! foi então quando se fez luz... e dei uma gargalhada! sabes, como uma pessoa se ri de uma piada que não "bate" de imediato mas, quando finalmente se chega lá, ela nos atinge com a força de uma locomotiva!?
    Pois... foi tal e qual.

    Vou ali beber um copo de água pois ainda não fui espreitar se há mais rebuçados para desembrulhar neste teu delicioso pote de doces.
    Até já...

    (^^)

    ResponderEliminar
  2. Olá Afrodite!
    Estes rebuçados podem comer-se sem perigo de calorias, pelo contrário. Se te fiz rir, ainda que não precises, sempre queimaste algumas ;-)
    Bebe um copo por mim também!
    Beijinho

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio