segunda-feira, 4 de março de 2013

Abyssus Abyssum



Estas chuvadas na Madeira e as imagens das Ribeiras do Funchal, em conjunto com as do desfile carnavalesco, recordam-me um conto do Trindade Coelho, dos “Meus Amores” que me impressionou bastante, na altura.


Trata-se da história de dois irmãos que vão descer o rio num barco, contra a vontade da mãe. Desde o início da história que se prevê o desfecho, mas a descrição é tão rica que nos prende até à última linha. Seguem uma miragem, uma esperança vã, até que o barco – o barquinho branco do fidalgo - entra num remoinho e desaparece com eles. Nessa mesma hora, a estrela, feiticeira também desaparece…

Ora nada mais adequado que esta história para ilustrar o que se passa em Portugal. Os dois manos não se chamam Manuel e António, mas Pedro e Paulo. O barquinho branco do fidalgo é o nosso Portugal, agora cinzento como a nossa esperança. A estrela, a miragem dos empréstimos e do regresso aos mercados. Pedir, pedir, até ao infinito e mais além! Na margem um pouco seguro Tó-Zé grita: Não remem, que se afundam mais depressa! Não remem…

Enfim, falta um culpado: O RIO. O Rio é o culpado! Quem o mandou estar lá?

Na outra margem, sente-se o cheiro a Cohibas. Sentado numa poltrona, um poltrão, ri-se pouco discretamente, enquanto reserva mesa no Maxim´s para o jantar. Pobres saloios, pensa. Tão influenciáveis…



Nota: Para quem não se lembra do conto, aqui está pequeno resumo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio