quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Gustava e Marçala, uma história quase de amor entre mulheres

Gustava, de seu nome completo, Maria Gustava dos Prazeres Carnais, mulher do povo, mas endinheirada e de família conservadora, uniu-se pelo casamento, de papel e tudo, a Marçala, jovem fogosa da nobreza decante portuguesa. Gustava, gostava do seu nome completo, mas sem a Maria, que a fazia recordar as outras mulheres, razão porque deixou cair a Maria no esquecimento. Abandonado o ponto comum a tantas outras mulheres, sentiu-se livre para crescer, sair do armário e viver, livre de preconceitos. Gustava dos Prazeres Carnais e ponto final, ou melhor, ponto de exclamação!

Marçala, pelo casamento, também Gustava dos Prazeres Carnais. Usava o nome completo Marçala Gustava dos Prazeres Carnais, mais por graça do que por ironia, pois o seu nome verdadeiro era Georgina. Georgina, até era apropriado, como também seria Carlota, Ermengarda, Joaquina ou Geralda, mas Marçala soava melhor e era mais distinto, isto é, distinguia-se mais.
Desta união pouco convencional, onde as calças eram usadas à vez, nasceram várias filhas e desenvolveu-se uma teia de cumplicidades que acabou por dar origem a um verdadeiro clã.

Como homem conservador que sou, tenho que referir que o uso desta expressão de usar as calças, não traduz nenhum preconceito. É apenas uma imagem para referir que os papéis de homem e mulher eram trocados com frequência.

As histórias destas personagens, uma delas absolutamente nova mas a outra já conhecida dos meus leitores mais atentos, vão em breve fazer parte de um manual a que pomposamente penso dar o nome de “Crónicas de um casamento anunciado”, num plágio claro a um famoso romance, onde desde o princípio já se sabe o que vai acontecer. Neste caso, como se trata de um casamento está tudo em aberto, até o tivórcio (e não me peçam para dizer o que é isso), a meio do percurso.

Nota:
Se este casamento lhe despertou interesse, enquanto a continuação não é publicada, pode ficar a saber os antecedentes desta relação, aqui. Acrescento que foi desenterrada com muito esforço. Um pouco como a complexidade das relações antigas…

4 comentários:

  1. Estas "Crónicas de um amor anunciado" deixaram-me confusa e, procurando a metáfora que podem esconder, acho que me lembra muita coisa mas fiquei com dúvidas...
    ...mas tenho desculpa... estou doentinha ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  2. Isa,
    LOL. As melhoras!
    Espero ter tempo para publicar a continuação...
    Bjs

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio