domingo, 25 de julho de 2010

Elevador multidestinos, ou como o número do azar não é o 13…

Por sugestão de uma leitora, decidi fazer uma pequena experiência, inocente, é certo mas de desfecho imprevisto.
A sugestão veio mesmo a propósito, pois permitia-me aumentar de forma considerável as probabilidades de encontrar a vizinha companheira de uma viagem anterior, com origem desconhecida.
Como habitualmente não uso esse meio de transporte tão íntimo em horas de ponta, pensei que o risco de um encontro indesejado, tipo marido com cara de poucos amigos e sacos do lixo, ou dona de casa com rolos na cabeça e chinelos (esta imagem persegue-me desde miúdo), ou teenager que leva os sacos do lixo da semana toda, para ter autorização para sair à noite (já não se usa, mas enfim...), era mínimo…
E pronto, lá chegou o transporte e comecei a viagem a carregar nos botões todos, por ordem descendente, do 13 até ao zero…
Quando acabei já o elevador ia no 12, pára, arranca, pára, arranca e eis que no piso nove se abre a porta... Pela brusquidão vi logo que não ia ter sorte. O perfil era o do marido intelectual urbano, já acomodado há alguns anos, fato de treino, ténis (sapatilhas, pronto…), eventualmente já preparado e devidamente equipado para um micro jogging matinal. Felizmente não trazia o saco do lixo.
Tentei pôr-me em frente aos botões, mas não dava, tive que o deixar entrar. Vai para carregar no botão mágico e dá-se conta que as luzes estavam todas acesas…Apeteceu-me rir, tal a cara de surpresa. Miúdos, disse eu, como quem justifica. Devem ser os do 12, disse ele, com voz de quem já sofreu alguma brincadeira semelhante (eu não fui, juro). Estão sempre na brincadeira!
Pelo caminho fiquei a saber que estava com pressa e percebi que seria um professor de educação física, mas nem quis perguntar não fosse dar-se o caso de pensar como é que miúdos, em tempo de escola, saem de casa às 10 da manhã! Seria o marido da dona do cocker?
De resto não se passou mais nada de interessante. Acabei por sari no Rés-do-Chão e apanhar outro elevador até à garagem.
Está visto que esta pesquisa ter que continuar, mas noutro horário!

6 comentários:

  1. Primeiro há que aprender os horários dos indesejáveis e, principalmente, dos ou das ;))) que se querem apanhar no elevador :))))

    Bjos

    Sugestão:Envie umas milhentas cartas a si mesmo e com a desculpa de estar sempre a ver o correio, escolha diferentes horas para ver e estudar, quem sai e quem entra lol

    ResponderEliminar
  2. Isa,
    Está visto que tenho que estudar mais...A tua ideia é gira, talvez experimente. COnheci um tipo que telefonafa para o café à procura dele próprio!
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Não tem porteiro?
    Se tiver, diga-lhe que é um agente ultra-secreto e que há um espião no prédio, peça-lhe colaboração para que lhe faça um relatório com as horas de saída e de entradas de todos...
    Abracinho

    ResponderEliminar
  4. Divertiste-te? :) Isso é que importa! Tenho a certeza que a vais encontar! :)
    Kisses grandes

    ResponderEliminar
  5. Maria Teresa,
    É um upgrade que o prédio precisava...
    A sua dica levou-me a considerar a possibilidade de pedir ao SIS uma ligação directa do vídeo-porteiro para o IPod!
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Tulipa,
    YES!!!! E obrigado pela sugestão. Tem imenso potencial...
    Bjs

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio