sábado, 6 de março de 2010

Nas nuvens…

Nunca pensei tornar-me um admirador do super, extra, ultra, famoso, elogiado, apreciado, adorado e outras palavras acabadas em ado, ícone do público feminino, que dá pelo nome de George Clooney. Também ainda não me rendi completamente ao Nespresso, mas tenho que confessar que gostei de o ver na personagem de Ryan Bingham, que lhe assenta perfeitamente...

Nas nuvens ando frequentemente, seja em avião, ou apenas em pensamento, como aconteceu enquanto via o Up in the Air. Foi inevitável que tivesse pensado um pouco na minha vida “artística”, do tempo quem que ainda viajava muito mais do que hoje. As rotinas de quem viaja, a precisão dos timmings, as questões da roupa, os serviços dos hotéis (quase ficava mestre…), os programas de cliente habitual, passageiro frequente, as milhas, os rebates dentro dos prazos de validade, os cartões de crédito da companhia e pessoais, os talões, facturas para guardar, devidamente compartimentados e um sem número de coisas desprendidas, sem significado, que automatizamos, integramos e que acabam por fazer parte da nossa vida em permanente deslocação, sem objectivo aparente, de local para local, de rota para rota de cliente para cliente, de vida para vida…

Até que um dia, ocasionalmente, encontramos alguém que, nos provoca a vontade de ter uma vida “normal”, regular, com rotinas do dia-a-dia de quem fica em casa, dorme em casa, janta em casa, almoça num restaurante habitual perto do local onde trabalha e sabe o nome do empregado que o atende que, por sua vez, sabe o que o cliente vai pedir… Alguém que faz com quem nos apeteça estar sempre, almoçar fora, jantar fora, passar o fim-de-semana num sítio giro, ligar a dizer disparates dez vezes por dia…Alguém que nos transforma as viagens num prazer a dois e não numa rotina…

E deixamos de viajar.

De repente, sem que o pudéssemos prever, voltamos ao mesmo. Aeroportos, aviões, comboios, carros…Hotéis. Hotéis...Mas com destinos mais frequentes, com menos dispersão e mais previsibilidade. Será o pior de dois mundos? Estarei a ficar com cabelos brancos?

Não sei, vou descobrir…

7 comentários:

  1. Digo? Não digo? Vou-me atrever... arranjou um "porto de abrigo" (há quem lhe chame outra coisa)
    Abracinho


    PS Não procure as cãs, elas não são sinónimo de nada, eu praticamente não as tenho. Sabe a idade que tenho...

    ResponderEliminar
  2. Toda a gente precisa de alguma estabilidade (digo eu) e de um porto seguro . Não acredito que ele possa ser encontrado em viagens constantes e em hoteis. Mas... mantido, mesmo assim, depende de cada... :)Estaremos cá para descobrir contigo... Beijinho

    P.S. Eu por outro lado... tenho imansas (cada vez mais...) e com orgulho as exibo!

    ResponderEliminar
  3. convite para seguir a história de Alice, lá no
    --- continuando assim... ---

    bj
    bom fim de semana
    teresa

    ResponderEliminar
  4. Maria Teresa,
    Quando h+á tempestade, nem na marina os barcos se salvam..MAs sabe que nesta casa é tudo meio a sério, meio a brincar ;-)
    Beijinhos

    Eva,
    Creio que tens razão...Obrigado por me leres!
    E tens imensas quê? Saudades? Viagens?
    Beijinhos

    Teresa,
    Obrigado pela visita...Já retribui!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Tio,
    Está a ficar um pouco mole, ou é impressão minha?

    ResponderEliminar
  6. Não precisas de agradecer, ora essa... não é um favor, uma obrigação... mas um prazer Tio!:) E percebeste muito bem que eram brancas... aliás, estou ansiosa por ficar igual à minha avó Inglesa com o cabelinho todo branquinho, se calhar ainda acelero o processo e pinto logo de branco de uma vez!! rrsss ( como eu digo sempre a quem me diz que eu pareceria mais nova se pintasse... mas eu lá quero "parecer" mais nova, para que???... isso por acaso, faz-me mais nova?" Beijoca

    ResponderEliminar
  7. Eva,
    LOL. Boa, também não ligo nada a isso...Mas a questão dos cabelos e da idade dava uma dissertação...E não tenhas pressa...Calro que não tens :-)

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio