terça-feira, 18 de setembro de 2012

O Teatro Anatómico



Afinal parece que a sociedade, enquanto ser pensante, pouco organizado mas com vontade própria, não morreu.

Contrariamente ao que parecia há dias, mostra sinais de vida, mas precisamos de mais tempo para ver se não são contracções involuntárias provocadas pelo rigor mortis… Estas manifestações, de pessoas que até há bem pouco tempo preferiam ficar no sofá, na casa de fim-se-semana ou aproveitar um dia de greve para um fim-de-semana romântico em Paris, serão sinais de vitalidade ou tremores de fim de vida? O tempo o dirá, mas parece certo que os New-Frankenpedras que se deleitavam em experências post-portem, gozando, como qualquer caloiro de medicina, com as partes dos cadáveres em estudo, vão ficar a pensar duas vezes…

Ao tentar impressionar as caloiras com a sua coragem - atendendo à cultura googliana dos nossos estudiosos de anatomia, talvez devesse usar a palavra alcáçova (e aqui fica uma private joke para os meus colegas, desculpem): Coragem, Google, Força, Google, Fortaleza, Google e, finalmente, Alcáçova! E a frase ficaria assim: Ao tentar impressionar as caloiras com a sua Alcáçova (soa mellhor assim, não soa?), colocam-se no insustentável e moralmente repugnante caminho da profanação dos restos mortais dos seus irmãos… 

Não chegou em vida vender os anéis, sangue e órgãos e alugar o corpo, condenando os objectos de análise a uma vida de escravatura. Depois de o julgarem morto gozam com o aparente cadáver! O que nos salva é que os cursos foram feitos como todos sabemos e estes setores não sabem medir a tensão ao paciente povo que afinal estava vivo. Moribundo, mas vivo! Pode ser que acorde, ganhe vontade própria e comece a usar o cérebro em vez do estomago, e o coração em vez do fígado! E assim não seremos enterrado vivos....

A sobrevivência do moribundo não é trocar este médico por um curandeiro voodoo, a sobrevivência é mandarem-nos uma junta médica, que nos receite uma dieta equilibrada e bastante exercício físico. Tirem-nos as garrafas de oxigénio envenenado e deixem-nos respirar o ar livre dos nossos campos... E estes aprendizes de feiticeiro, guiados pelo feiticeiro mumificado, em fez de fazerem olhinhos às vaquinhas que lhes sorriem, que façam olhinhos aos touros. A tourada continua!

5 comentários:

  1. Resta saber se, realmente, é para continuar.
    Com o azar que temos só receio que alguém se possa aproveitar do descontentamento, porque tirando o dinheiro curto, há muitas outras razões para ter ido para a rua e aí... muita coisa pode acontecer... vigaristas não nos faltam.

    Bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente é bem possível que sim...E os vigaristas têm cada vez mais dinheiro para ter os colarinhos ainda mais brancos e engomados..
      bjs

      Eliminar
  2. Ainda assim, pensar com o estômago... é coisa bastante enraizada. Mas o exercício físico começa a destacar-se.
    A importância que damos ao nosso dia a dia, o que realmente valorizamos... é aquilo que vem ao cimo... ou é nata ou é merda.
    Por isso não está tanto no outros, mas sim em nós mesmos.
    Quem sabe se num dia de 24 horas não exista uma única coisa que mereça a alegria... um sorriso aberto e sincero.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que no meio deste vale de lágrimas temos tempo para umas boas gargalhadas, verdadeiras e sinceras...
      Valha-nos isso!
      E para dançar, também. nesse caso em vez de gargalhadas será mais um sorriso de felicidade!

      Eliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio