quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Nuevos Ministérios

Depois de um recorrido (¡Hola!) por Madrid, Valência e, the last but not the least, na minha querida Ouresnse, afogado com notícias de telepeaxe en prepago e outras novidades socretinas, vejo a luz ao fundo do túnel. Não é uma luz brilhante, é um farol de bicicleta, o nosso transporte do futuro.

Os Nuevos Ministérios ficam no meu percurso habitual e inevitável, do aeroporto até ao hotel, e já antes, até à cidade universitária, e são uma metáfora a que tenho que recorrer, pelo cruzamento entre o cor-de-rosa, o eterno feminino, as formas doces e suaves que embrulham, por vezes, realidades duras, a linha que me leva e traz do sonho para a realidade, e o cinzento onde confortavelmente me instalo, misturado, incógnito, nessa mole de gente, até passar para a linha verde que me leva à Gran Via ou ao Callao, esperança certa de uma noite animada nas Portas do Sol (e da Lua…).

Nestes devaneios apercebo-me que na nossa querida terra de Portugal o governo se esforça por mostrar uma imagem séria de contenção de custos, por si só insuficientes para alimentar esse monstro do deficit. Pelos vistos afinal não “há vida para além do deficit”, não é oh cenourinha que já te governaste (e bem) e que agora alimentas um coelhinho, que vai dando pequenas dentadinhas, com os seus belos dentinhos, made in clínica XPTO (se pagarem faço publicidade)

Ao que parece a oposição também, se esforça por dar uma imagem séria e impedir a imagem do centrão que todos temos (fase anterior à do pelintrão, em que nos vamos, em breve, transformar).

Parece que no meio deste esforço todo há que reforçar os gastos com seminários e exposições, que vão aumentar 46%, enquanto os gastos com publicidade vão aumentar “apenas” 30%. No total são “apenas” 23 milhões de euros, que o governo prevê gastar em 2011 com estas importantes rubricas. Não foi fácil, mas sempre se acabou por saber….Ufff.

Como a maior fatia destas “migalhas” no dizer dos nossos governantes, vai para o gabinete do Ministro da Presidência (ainda não mudou o nome…) tenho obrigação moral de sugerir uma pequena alteração a este esbulho, perdão, afectação de recursos.

Parece evidente, mas às vezes as coisas mais simples são as mais difíceis de encontrar…Neste desiderato de fusão e eliminação de serviços públicos desnecessários (e inexistentes, como são 9 dos 50 que se revê eliminar), sugiro a fusão do novíssimo Ministério da Iconemia com o da Propaganda e Assuntos Populares, num super Ministério da Corrupção e Assuntos Pessoais.

Enfim, é uma pequena e modesta contribuição, mas ainda me atrevo a sugerir que deve ser um deputado com experiência nestes assuntos de corrupção, muito conhecedor das realidades destas redes complexas, a liderar o processo de fusão. Preferencialmente deve ser oriundo de uma região considerada ultra periférica (epíteto usado para definir alguns lugares onde os fundos comunitários vão mais longe e mais alto) e, se possível, deve ter um penachinho de cabelo branco ou então o cabelo, todo, precocemente branco (situação melhor pontuada). Certo é o nome do Chefe de Gabinete deste super ministério, uma Débora Qualquer Coisa.

Sobre as possíveis fusões e eliminação de empresas públicas, PPP e quejandas, julgo que não me chega um ano de posts diários…

8 comentários:

  1. Não chega não que elas caem em catadupa. Nós levamos, pagamos e nao bufamos, à boa moda portuguesa!
    E lá vamos virando pelintrões, corpos sem massa e sem matéria, não é verdade?

    Tragicomédia digna de risadas de alguns ministros estrangeiros, que acham Portugal mesmo muito cómico!
    Nós por ca é que vamos perdendo o sentido de humor...enfim!

    ResponderEliminar
  2. Diabinhos,
    Infelizmente é assim! Mas o que me custa mais é tirarem-nos a alma, o espírito crítico e a capacidade de pensar...
    Isso é que não podemos deixar nunca!
    Obrigado pela visita!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Por isso eles criam programas como as novas oportunidades...não se aprende nada, geram-se analfabetos funcionais, ...não percebem nada de nada, mas têm habilitações. Melhoram as estatísticas em relação ao nível de escolaridade, mas o povo permanece sem instrução, pobre de espírito e acrítico, como interessa a quem governa! Um degredo!

    Obrigada pela visita.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Tens toda a razão. E é triste ver que quem governa atinge os objectivos que nos arrastam cada vez mais para baixo!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Ando sem palavras para descrever o que sinto e o que penso acerca de todo este quadro político/social que me rodeia...sinto-me impotente para reagir.
    Será que com a idade atingi um estado de espírito que permite que a tristeza me visite mais vezes?
    Abracinho

    ResponderEliminar
  6. Maria Teresa,
    Partilho desses sentimentos, mas penso que não tem nada a ver com a idade ;)
    Sinto-me mais triste e estou mais amargo...
    Beijinhos e obrigado pela visita

    ResponderEliminar
  7. Olá,
    Venho agradecer ter passado pela minha Mansarda e por ter comentado.
    Voltarei aqui com mais tempo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Essa luz de bicicleta... muito vamos nós... dar ao pedal ;)

    Bjos

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio