domingo, 23 de agosto de 2009

Perseguido político ou perseguido pela política?

Recordo-me de ouvir histórias, certamente reais, de pessoas que pelas suas ideias ou ideias políticos foram perseguidas, algumas delas até detidas, presas, insultadas, maltratadas e que ficaram com sequelas para sempre.

Todos nós conhecemos histórias que servem de exemplo de determinação política, de dedicação a causas, com sacrifício de vidas pessoais, mesmo nos dias de hoje. São os perseguidos políticos.

Ao regressar a um dos meus locais de trabalho, depois de uns dias de ausência fui (e todos nós), surpreendido com um outdoor, 4X4, colocado propositadamente num local onde deveria haver um passeio para se poder caminhar ao lado da faixa de rodagem, sem ser atropelado. O outdoor, não anunciava o fim da crise (parece que esses estão previstos para o princípio de Outubro), mas sim um candidato autárquico, apelando ao voto nele.

Depois do que se passou lá para o Norte, com o cocktail Ruca Chucky, agora ter que aturar todos os dias, ao olhar pela janela, um candidato que até parece simpático, num outdoor colocado onde devia estar um passeio. É demais...

Não me sinto o Andy Barclay, mas de certeza que estou a desenvolver um complexo de “perseguido pela política “. E não tem nada a ver com PP, nem PQP. É mesmo PPP. Esta autenticidade da política, até lembra mesmo o plástico, apesar de achar o Polipropileno, bom demais para comparação.

7 comentários:

  1. Há 35 anos que há eleições livres no nosso país , creio não estar enganada ao afirmar que nunca vi uma campanha tão "ordinária" como a que está a decorrer. Quando digo ordinária é mesmo ordinária, na criatividade, nas frases, nas entrevistas, nos disse que não disse...
    E a gastarem-se autênticas fortunas em tanto "desalinho" e "desatino".

    ResponderEliminar
  2. Não sei o que é pior... esse cartaz (temporário), ou ter, como eu, a linda vista de um campo verdejante, bloqueada por um edifício de sete andares, a escassos metros de distância da janela...
    De qualquer forma, é bom saber que o fim da crise está próxima. Outubro, dizes tu? Ok...vou marcar na agenda!!

    ResponderEliminar
  3. Ejá viram o vídeo da Carolina Patrocínio, que como mandatária para a juventude socialista, diz que prefere fazer batota a perder e que só come cerejas e uvas, se a empregada 1º lhe retirar os caroços?! Que exemplo para esta juventude...e gasta-se dinheiro nestas coisas e a gente paga...é fantástico!

    ResponderEliminar
  4. Maria Teresa,
    Estamos cada vez pior, nessa matéria, infelizmente :(( Chega a ser vergonhoso!

    Eva Gonçalves,
    Uma consequência da falta de planeamente (ou de vergonha ?) das nossas autarquias, em geral.
    Quanto à retoma, o timming só tem a ver com as eleições, nada mais :(

    Diabinhos,
    É espantoso! Começa bem, a pequena! E empregada para mastigar? Já perdi a vontade de me oferecer para motorista tipo Ambrósio... A crónica do JD Quintela (na Pública?), sobre esta "cereja" está o máximo!

    ResponderEliminar
  5. Pois, aqui pelo Algarva passa-se o mesmo!

    ResponderEliminar
  6. Veruska,
    Estive aí na semana passada, onde apanhei a melhor água dos últimos anos.

    Para a semana, espero que a água esteja como a política: Na mesma! ;))

    ResponderEliminar
  7. As legislativas ainda nem chegaram e eu já estou FARTA desse circo!

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio