sexta-feira, 15 de agosto de 2014

O lobo mau e o lobo bom ou como nem tudo que é verde é esperança…




As notícias sobre o banco verde acumulam-se nos noticiários. Fazem-se comparações com outros escândalos, havendo mesmo quem compare este caso com o do Banco Angola e Metrópole, do celebérrimo Alves dos Reis, ou com o Banco Mirabolantellium ou ainda, com o muito fresco, Banco Para Néscios, a que já me tenho referido várias vezes…

Alguns peritos politólogos, explicatólogos, justificatólogos e outros homólogos, interrogam-se sobre o pape l- não o papel moeda – do Banco de Portugal e da CMVM neste processo, defendo mais regulamentação. 

Ora nada mais errado. Um dos nossos problemas é precisamente o excesso de regulamentação, em conjunto com a falta de fiscalização e com a absoluta impunidade da generalidade dos prevaricadores.
Outro dos nossos problemas, é a falte de ética das pessoas que governam as sociedades e instituições, na minha modesta opinião, é esse o pior.

Neste caso, ao que parece, foi-se mais longe, apenas porque ninguém esperava, naquela casa, uma crise destas. Agora separam–se os activos em dois grupos, os bons e os maus e, contrariamente ao que aconteceu no Banco Para Néscios, os maus ficam com os activos maus e nós todos, os bonzinhos, ficamos com os activos bons.

Há uma história mais gira do lobo mau que come o capuchinho mas, não sei porquê, nunca acreditei na história da carochinha…


2 comentários:

  1. Lá foi o meu comment ao ar.
    Que nervos! Nem mo deixou copiar como costumo fazer para o caso de se perderem.

    Amanhã volto cá.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Janita!
      Terá sido sabotagem do Entidade Reguladora?
      Volta quando quiseres, ou puderes!
      Beijinhos

      Eliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio