terça-feira, 22 de julho de 2014

Mamading ou como desvirtuar o conceito de rapidinha



Talvez fosse melhor começar por distinguir o trigo do joio, sem querer esmiuçar o tema. Ibiza é Ibiza, Menorca é Menorca e Maiorca é Maiorca. Dito desta forma parece uma verdade do M. de La Palisse, mas espero que não seja. Associamos às Baleares a imagem do turismo massificado, com excessos vários – também não vou dissertar sobre o assunto, mas estou em crer que os excessos de Ibiza são diferentes das suas irmãs. Pelo menos, mais sofisticados e alegres…


Há coisas para fazer sem pressa mas também, num momento determinado, sem pré-aviso fazemos com muito prazer, quase que em emergência: As rapidinhas. 

Os elevadores – que saudades – são um dos meus fetiches, mas há outros locais, como varandas de edifícios, gabinetes, enfim, não é preciso puxar muito pela imaginação para encontrar um sítio para uma rapidinha. A companhia é o importante. Às vezes envolve alguns riscos, o que acrescenta algum condimento à coisa!

Agora, esta prática de gosto duvidoso, a que deram o nome tão original de Mamading retira o prazer do risco, da rapidez e do imprevisto. Ainda por cima num grupo de gajos. Há coisas que não combinam: A rapidez e o sexo oral decididamente não parece terem mix-appeal!

O que virá a seguir?

2 comentários:

  1. Li isto na net, algures, e deu-me vómitos! Porra! Sexo é algo tão bom, para quê esta vulgarização sórdida? Trocar sexo oral por bebidas? Enfim...

    Beijinhos Marianos, Tio marafado! :)

    ResponderEliminar
  2. Maria Tu, também não percebi qual será a piada disso...
    Deve ser de gente que não gosta nem de sexo nem de beber uns copos, socialmente.
    Bêjinhes do tê tie

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio