terça-feira, 12 de novembro de 2013

Técnico Político e Técnica Política, uma questão não só de género, mas também de sexo



Depois do Inglês Técnico, chegou a Recessão Técnica. O nossoministro que já foi da defesa, passou ao ataque e que ainda teve tempo para empatar bastante o nosso tempo, anunciou que o país iria chegar ao fim da recessão. No seu bom estilo insistiu duas vezes no poderia…E também duas vezes no apodo técnica, imediatamente a seguir à palavra recessão.

Esta recessão não é a recepção do fim do túnel. É mesmo a saída para o ar livre, segundo a fonte citada. Não é preciso fazer nenhum check-out para sair da recessão técnica, nem check-in para entrar no paraíso, local mítico para onde iremos, não depois de morrer, mas depois do chamado período da troika. O pós-troika é o paraíso desta nova religião de técnicos políticos, malabaristas das palavras e trapalhões nos actos. Perdão, atos, porque ministros destes certamente escrevem com o aborto ortográfico. Reflectindo melhor sobre o assunto e vendo as recentes expressões usadas pela plêiade política portuguesa, deveria ter usado o “concerteza” palavra que em político técnico designa um certeza absoluta e indiscutível mas que pode não o ser dia seguinte…É uma questão de periscópio, consoante aponta a barlavento ou sotavento. Neste caso concreto estou em crer que aponta à ré (no sentido náutico do termo e não no jargão dos tribunais!) e, em função da esteira, vai orientando o rumo…

Algum leitor mais habituado ao meu género neo-barroco, soft-satírico, concêntrico, inspirado no nosso imperador da língua portuguesa (como me sabe bem ler um sermão, de vez em quando, perdão, de quando em vez), mas salpicado de influências vicentinas, pensará que estou a ser irónico com esta história do periscópio, mas não. E é aqui que se confundem os géneros e misturem os sexos…

Na técnica política moderna, os políticos, técnicos, são conduzidos por sondagens que, obviamente, ocorrem depois dos factos…É forçoso que seja preciso olhar constantemente para trás (sim, com s, eventual novo leitor, aderente ao AO, que aqui tenha chegado e fique com essa duvida) para conseguir seguir em frente…O caminho é sinuoso, pois claro…Experimentem conduzir um carro a olhar para o retrovisor!

Naturalmente não é este o caso dos submarinos. Esses têm radar e uns milhões de ferramentas de alta tecnologia – a técnica, a técnica – que os orientam. Como se vê nos filmes, basta colocar uma chave, para disparar, ou para outra coisa importante.

A ministra especializada em swaps que não faz poupança, mas apenas Formação Bruta de Capital Fixo, muito calmamente ao lado ouvia, como boa aluna, o discurso do novo mestre das técnicas e príncipe dos técnicos. Ela é técnica, ele não. Ele é político técnico e ela não percebe nada de política.
Paulatinamente as palavras saíam-lhe, e o Tio no remanso de uma sala pública deu-se conta deste novo milagre técnico-político. Quando convém aos políticos, as decisões são técnicas. Quando convém aos técnicos, as decisões são políticas… Bendita irresponsabilidade que nos arrasta até ao fundo, ao negro fundo do mar, onde não chegam navios nem submarinos. Nem os escavadores de documentos perdidos lá se atrevem a mergulhar.

Imagino que alguém com tempo se dedicará a uma tese sobre a metapolitica. Outros, como eu, prefeririam a matapolítica, mas tenho um tesão à minha frente que não me deixa ver nada, nem escrever muito sobre este tema muito mais interessante. Não são 600 páginas, é certo, mas o conteúdo também vale a pena e prometi-me a mim mesmo, reforço, tratar dela até ao final do ano…E esta é a realidade, nem sempre fazemos o queremos, mas o que podemos. Mas devemos querer, antes de mais! Temos que querer e tentar. Avancemos pois, contras os canhões e os submarinos!

Nota final: Já que falei no assunto, a Grécia, grandepotência económica da CE, não comparável com Portugal, comprou quatro trirremesde afundar, mas lá houve corrupção, que eles não tocam no dinheiro do estado. Só com luvas. O Touaki Toute Apolos foi preso… Quem é que chama Papanicolau, ou lá o que é a um submarino daquele tamanho? O que é que estava à espera?
Cá em Portugal, foi uma brincadeira apenas. Mal comparado,foram uns supositórios. Não custou nada. O gel lubrificante faz milagres. O ministério público pedia há dias o que se sabe para os arguidos no caso dascontrapartidas…Uns grãos de areia no sítio errado. Que desconforto!

6 comentários:


  1. Sempre me fez uma enorme confusão como é que há alminhas que acham que podem fazer o que querem e o que lhes apetece com os dinheiros públicos, fazer negociatas escandalosas por debaixo do pano, calçar e descalçar luvas com toda a lata e achar que ninguém vê nem sabe do que se passa, com a ingenuidade de uma criança que esconde o pão debaixo da cama a pensar que a mãe nunca saberá... ou da desleixada empregada doméstica que varre o lixo para debaixo do tapete a julgar que a patroa nunca descobrirá.

    Infelizmente o crime continua a compensar pois os processos em tribunal prescrevem sem nunca se apurar a verdade dos factos e sem punir os eventuais responsáveis de tanta trafulhice.

    Quanto à tua meta... cuidado que o fim do ano já está ali ao virar da esquina e esse tesão parece não ter fim.
    Boa sorte e muito sucesso para conseguires aquilo a que te propuseste.


    Beijinhos técnicos
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afrodite, Perderam toda a vergonha. E, pior que isso no seu íntimo alguns acham que estão a fazer o que devem. Outros estão-se nas tintas e outros ainda, uma minoria, têm algum pudor, Haverá um ou dois honestos, mas estão calados, não vá, por qualquer obscuro revés do destino, serem expostos e perderem a panela.
      Beijos políticos ;-)

      Eliminar
  2. Eu acho que os políticos deviam ser julgados por uma má gestão.

    ResponderEliminar
  3. Estou de acordo com a Vera, enquanto não forem julgados, condenados e extraditados para o Inferno não teremos descanso.

    beijinho

    ResponderEliminar

Hmmm! Let's look at the trailer...

Siga o Tio pelo e-milio